3.239.51.78EXISTE!

www.brasilbook.com.br

MemóriasBiografiasGaleriasImagensTemas




Bebê-diabo causou pânico entre médicos e enfermeiras
Autor: Gustavo Borgo, ortopedista
Domingo, 11 de Maio de 1975
Última atualização: 13/12/2020 05:32:16

Em 11 de maio de 1975, o "Notícias Populares" estampou na capa a lúgubre manchete "Nasceu o diabo em São Paulo", sobre o suposto nascimento de uma criatura com características sobrenaturais em São Bernardo do Campo (SP). O jornal foi o único impresso a veicular o caso.

O enigmático parto do bebê-diabo rendeu ao "NP" 27 reportagens que alavancaram as vendas do jornal na época. Com tiragem média diária de 70 mil exemplares, o periódico chegou à marca dos 150 mil jornais vendidos durante a série.

A história trouxe em seu enredo boas pitadas de mistério, terror e medo.

A primeira reportagem deu conta do clima de tensão e pânico em que o parto fora realizado, evidenciado no primeiro parágrafo do texto: "Durante um parto incrivelmente fantástico e cheio de mistérios, correria e pânico por parte de enfermeiras e médicos, uma senhora deu a luz num hospital de São Bernardo do Campo a uma estranha criatura, com aparência sobrenatural, que tem todas as características do diabo, em carne e osso.

O bebezinho, que já nasceu falando e ameaçou sua mãe de morte, tem o corpo totalmente cheio de pelos, dois chifres pontiagudos e um rabo de aproximadamente cinco centímetros, além do olhar feroz, que causa medo e arrepios".

O "Notícias Populares" descreveu ainda o incontrolável temperamento do sagaz diabo. Como o dia em que, no berçário da maternidade, furioso ao ver a luz do dia, teria gritado a uma das enfermeiras: "Feche a janela!". E, olhando friamente para os demais funcionários, emendou: "Ou fecham, ou mato a todos!".

Bebê-diabo

A segunda reportagem da saga destacou o sombrio desaparecimento do mequetrefe da maternidade onde nascera. A manchete foi curta e objetiva: "Bebê-diabo desaparece". A página interna do jornal relatou a dramática fuga do diabólico bebê-capeta, que teria fugido saltando do terceiro andar do hospital. Antes de escapar, teria dito "Aqui não é meu lugar.

Essa mulher não é minha mãe..." e "Vou embora, não pertenço a este mundo. Não sou daqui. Vocês são pavorosos. Faltam acessórios em vocês".

Nas edições seguintes, o "Notícias Populares" encheu suas páginas com testemunhos de incidentes que estariam ocorrendo em toda a região do ABC paulista com o desaparecimento do tinhoso.

Frequentes desavenças entre casais e amigos que nunca haviam se desentendido, dezenas de colisões de carros com vítimas fatais e, principalmente, atropelamentos em massa, cometidos por exemplares motoristas, davam o tom da onda de pânico que assombrou o ABC durante o episódio. Crianças não foram mais vistas brincando nas ruas.

Mulheres se recolhiam mais cedo às suas residências, e portas trancadas à luz do dia se tornaram práticas comuns entre os moradores da região.

As várias tentativas de grupos de moradores na busca de pessoas espiritualizadas que fossem capazes de encontrar e derrotar o travesso foram em vão. As procissões realizadas também não lograram êxito em liquidar o diabo.

No meio da trama, o "Notícias Populares" veiculou que, após capturado por um grupo de religiosos, o bebê-diabo teria sido internado em uma clínica particular de São Bernardo, que seria aberta à visitação pública.

O jornal chegou a noticiar uma pequena lista da clínica com orientações que deveriam ser seguidas à risca pelos curiosos interessados em visitar o capeta. Eram elas: 1) ser maior de 18 anos, estar munido de crucifixo; 2) evitar conversar com o bebê-fenômeno para não ouvir palavras obscenas; 3) não ter problemas cardíacos; e 4) assinar um termo de responsabilidade em caso de ser tomado por possessões demoníacas.

Depois, novos rumores preencheram as páginas do "NP" dando conta de que o filho de Lúcifer fora visto saltando pelos telhados das casas durante a noite. "Era ele, tenho certeza! Vi com os meus próprios olhos! Parecia um louco pulando os telhados, fazendo desfeita para a Lua! Ele pulava rindo alto, mandando todo mundo pro inferno", disse, então, a doméstica Maria Aparecida de Oliveira.

Outros boatos que correram foram os de que um discreto fazendeiro, morador de Marília (SP), que, segundo os vizinhos, "não tirava o chapéu por nada desse mundo", seria o pai do bebê-diabo. O homem teria tido um rápido relacionamento com uma moradora de São Bernardo e rompera com ela havia cerca de nove meses.

"Ele dificilmente tira o chapéu, mas faz assim para esconder os dois chifres e evitar gozações", dizia um dos amigos.

Em outra ocasião, depois de ter infernizado um ritual de umbanda, a criatura fora vista pela última vez amarrada dentro de uma Kombi, estava com a cabeça baixa e muitas lágrimas nos olhos. Fanáticos religiosos o teriam sequestrado e pretendiam levá-lo para o Nordeste para dar um ponto final na história.

A penúltima manchete do "Notícias Populares" sobre o caso, em 5 de junho de 1975, trouxe o emblemático personagem Zé do Caixão, do cineasta José Mujica Marins, e dizia: "Zé do Caixão vai caçar bebê-diabo no Nordeste". Na reportagem, o cineasta, com dois de seus emissários, seguiria rumo a Salvador atrás da criatura. A intenção do grupo era mandar o diabo para o "quinto dos infernos".

O que parecia ser o fim do demônio de São Bernardo veio abaixo com a manchete: "Povo vê de novo bebê-diabo no Grande ABC". Foi a insinuante volta e, ao mesmo tempo, o fim da lendária saga do bebê-diabo nas páginas do "Notícias Populares".

Por outro lado

– Em maio de 1975, o repórter Marco Antônio Montadon, da Folha de S.Paulo, foi ao ABC confirmar o relato de que havia nascido uma criança com “duas saliências na testa” (chifres) e “prolongamento no cóccix” (rabo). Mas eram apenas más formações, que foram corrigidas com uma breve cirurgia.

– Montadon transformou a história numa crônica (fictícia) de terror, na Folha. O secretário de redação do NP, José Luiz Proença, e o editor de polícia, Lázaro Campos Borges, convocaram um repórter para “repaginar” esse texto e transformá-lo na notícia do nascimento do bebê-diabo.

– Consultado pela ME, o ortopedista Gustavo Borgo, do Hospital Israelita Albert Einstein, disse jamais ter visto relatos médicos de cauda em crianças. Segundo ele, possivelmente o “bebê-diabo” tinha um defeito congênito comum, chamado mielomeningocele, que prejudica o fechamento da coluna do recém-nascido. É resolvido com uma cirurgia logo após o parto.

– O NP foi hábil em procurar fontes oficiais (como médicos e diretores do hospital), mas usar a negativa deles de modo que gerasse ainda mais suspeita no público.

– A história também não é original. Poucos anos antes, O Bebê de Rosemary (1969) causou pânico parecido no Brasil e no resto do mundo. Outro filme recente na época que também causou polêmica foi O Exorcista (1974).

– O público do NP era composto de pessoas mais simples, com maior tendência a se apegar a crendices sobrenaturais. Meses antes, o próprio jornal já havia soltado matérias sobre a “loira fantasma” e o “vampiro de Osasco”, por exemplo.

FONTES Livro Espreme Que Sai Sangue: Um Estudo do Sensacionalismo na Imprensa, de Danilo Angrimani, e Nada Mais Que a Verdade: A Extraordinária História do Jornal Notícias Populares, de Celso de Campos Jr., Denis Moreira, Giancarlo Lepiani e Maik Rene Lima; documentário Nasceu o Bebê-Diabo em São Paulo, de Renata Druck; e site Folha de S.Paulo

do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital Samaritano



BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes
Matheus Carmine

testem.asp