Tiroteio e morte: como o impeachment de Muniz Falcão terminou em caos
Autor: Fábio Previdelli (06/12/2020, ÀS 10H00)
Fonte: Aventuras na História
Sexta-feira, 13 de Setembro de 1957
Última atualização: 12/12/2020 03:29:32

No dia 13 de setembro de 1957, deputados de apoio e da oposição de Falcão protagonizaram um dos episódios mais vergonhosos e sangrentos da política brasileira.

Em nossa cultura popular, a sexta-feira 13 é um dia de muita superstição. Para muitos a data é sinônimo de azar. Existem até muitas lendas que corroboram com isso. Crendo nisso ou não, fato é que o dia também marca um importante episódio em nossa política.

Na ocasião em questão, em setembro de 1957, deputados da Assembleia Legislativa de Alagoas se reuniram para votar o impeachment do governador Muniz Falcão. Mas o que aconteceu no fim naquela sessão ultrapassou o campo partidário e se tornou uma verdadeira guerra.

Além de ser a única vez na história que um governador sofreu um impeachment, o episódio também ficou marcado por agressões e tiroteios, se tornando um dos mais repugnantes da política brasileira. No final, uma pessoa morreu e outras oito foram baleadas.

O contexto político

Em 1955, Sebastião Marinho Muniz Falcão foi eleito governador de Alagoas. O Político fazia parte do Partido Social Trabalhista (PST), que era forte apoiador de Getúlio Vargas e Leonel Brizola, além de ser muito ligado às reinvindicações populistas e dos trabalhadores. Além disso, a política de Falcão também era apoiada pelo Partido Comunista, embora o governador não se considerasse um. Apesar de lutar pela parte mais pobre do Estado, suas ideias não eram muito bem recebidas pela elite, representada, principalmente, pela União Democrática Nacional (UND) — muito mais conservador.A oposição de Muniz também era bem forte dentro da câmara dos deputados. Afinal, 22 deputados estaduais eram contra ele e apenas 13 estavam a seu favor. Havia um sinal bem claro de que o Estado passava por uma grande crise política. Mas o que levou a irritação da burguesia foi um golpe no bolso: Falcão criara um novo imposto sobre a produção da cana-de-açúcar no estado. O caosApesar de pano de fundo, o documento oficial do processo de impeachment alegava que o governador ameaçava opositores e fazia vista grossa para a violência política da época. Vale ressaltar que, antes do pedido, um deputado contrário à Muniz foi assassinado. O processo, ao todo, demorou seis meses, que culminaram naquele 13 de setembro de 1957. Munidos de pistola e até de metralhadora, por cerca de 10 minutos, mais de 1.200 balas foram disparadas.Na troca de tiros, Humberto Mendes, cunhado de Muniz e deputado, acabou sendo alvejado e faleceu. Outras oito pessoas acabaram baleadas e dezenas (entre políticos, funcionários locais e jornalistas) ficaram feridos. O mais curioso de tudo é que a confusão não ocorreu por mera casualidade, tudo já estava ‘programado’. Quando os 35 deputados se encontraram, eles já sabiam que o tiroteio aconteceria. Mais cedo, naquele dia, sacos de areia foram instalados no salão, como se fossem trincheiras. Além do mais, a porta da câmara foi lacrada por um funcionário. Do lado de fora, capangas estavam armados fazendo a ‘proteção’ do local, impedindo que qualquer pessoa se aproximasse. E não era só os deputados que sabiam da confusão. Todos tinham consciência do que aconteceria mais tarde, tanto é que o comercio fechou mais cedo, ônibus pararam de circular e as pessoas se recolheram em suas casas. Por fim, o episódio acabou ganhou holofote nas mídias brasileiras — e internacionais. Assim, Juscelino Kubitschek, presidente na época, decretou intervenção federal. Fazendo com que o Exército garantisse o mínimo de ordem no Estado. Assim, uma semana depois, a votação aconteceu e Muniz Falcão finalmente sofreu impeachment. Porém, pouco depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) reverteu a decisão alegando que os deputados apoiadores do governador não participaram do pleito. Como consequência, uma comissão mista foi formada e Falcão foi absolvido. Ele reocupou o cargo em 1958 e ficou por lá até 1961.

testeselect * from materias where id = 10
1 de Janeiro de 1980
Chacará dos Padres
18 de Dezembro de 2020
Onde Foram Parar os TRENS do Brasil? Por Que o Brasil não tem Trens?
1 de Janeiro de 2021
Esclarecimentos sobre a Casa dos Padres
1 de Janeiro de 1900
A ESTRADA DOS PROTESTANTES E OS PRIMEIROS PRESBITERIANOS EM VOTORANTIM
1 de Janeiro de 1900
Praça 9 de Julho, Largo de Pito Aceso e outras histórias
18 de Fevereiro de 1981
Sobre o rompimento do "tancão" da vila Barão/Nova Esperança
10 de Fevereiro de 2021
O mistério da Casa dos Padres, que assombrou gerações em Sorocaba e Votorantim
12 de Agosto de 2017
Documentário mostra "descoberta" de um marco oculto de Sorocaba


Novas imagensExibir por anoGalerias de imagensArtigos MatériasTemas
Hoje na HistóriaProcurar no siteCidadesReceber atualizaçõesBiografias por categoria
Página no FacebookAutores Biografias<


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine