Advogada paga para ser morta e deixa carta assustadora de despedida
Sábado, 13 de Junho de 2015
Última atualização: 12/12/2020 22:52:00

"Mãe, adeus. Consegui o que queria. Di, sinto a sua falta... Desculpe, vou tentar ser feliz". A carta, escrita à mão trêmula, foi o último comunicado da advogada Giovana Mathias Manzano, 35.No dia 13 de junho, ela foi assassinada com três tiros, um na nuca e dois na cabeça, num canavial de Penápolis (479 km de São Paulo).

Para a polícia, familiares, amigos e colegas de curso, não há dúvida: Giovana planejou a própria morte. Contratou o matador, pagou em dinheiro, escolheu o local do crime e a maneira como seria morta. Tudo após anos de luta contra a depressão. "Quis isso, não aguentava mais sofrer", escreveu.

Sem coragem para o suicídio, achou alguém para matá-la, um jovem "sem amor à vida", segundo a polícia. O crime é o assunto de qualquer roda na cidade de 60 mil habitantes. "Em 23 anos de polícia, nunca tinha visto nada parecido. Mas não há outra hipótese", disse o delegado Mauro Gabriel.

A confissão do assassino, Wellington de Oliveira Macedo, 21, que estava na cadeia até 18 de maio, por tráfico, só ocorreu depois que a polícia reuniu todas as provas -entre elas, as pegadas no local do crime que coincidem com o tênis apreendido na casa dele. O jovem contou detalhes.

Parentes e amigos ajudaram a esclarecer, relatando o motivo: tristeza, uma das consequências da síndrome de borderline, transtorno psiquiátrico diagnosticado pelos especialistas que a atendiam, caracterizado pela instabilidade de humor, angústia constante e profunda causada por medo de abandono.

DUPLA REJEIÇÃO

As pessoas mais próximas dizem que tanto sofrimento era motivado pela sensação de rejeição."Ela é adotiva e soube disso quando era adulta. Em março, o marido dela decidiu se separar. Acredito que ela tenha se sentido rejeitada duplamente", disse um primo que pediu anonimato.

Para explicar a morte, a polícia buscou informações de outubro de 2010, quando a vítima vivia em Cáceres (MT) com o marido, o delegado Adriano Cavaglieri (o Di, escrito na carta).O marido ligou para o primo dela pedindo ajuda.

Giovana havia sido internada após tomar uma dose excessiva de remédios fortes. "Ele disse que não conseguia mais ajudá-la e que em São Paulo havia especialistas para isso", lembrou o primo.O parente foi ao Mato Grosso e trouxe a moça para Penápolis.

A família a levou aos melhores psiquiatras da região. Ela era dedicada aos tratamentos, fazia terapia e tomava oito remédios para controlar sua angústia. Tudo ia bem até março, quando o marido foi a Penápolis para formalizar a separação. "Ela não se conformava e voltou a ficar muito deprimida", contou o parente.

Mesmo diante da perda, Giovana buscou se reerguer. Iniciou os estudos num cursinho preparatório para concursos e fez novas amizades. "Era inteligente demais. Muito companheira. Mas, muitas vezes, estava triste", disse a amiga Verônica Lopes, 27.

Giovana não suportava a falta do marido, que, segundo as amigas, passou a não atender mais suas ligações. Deprimida, recorreu a outro primo três dias antes da morte. "Preciso que você me apresente alguém barra pesada para me matar", pediu. Fez o mesmo apelo a uma amiga. Ambos, assustados, se recusaram a ajudar.

Sem auxílio, fez tudo sozinha entre sexta e segunda, dia do crime. Chegou a Wellington, que aceitou o serviço por R$ 20 mil (ele afirma que recebeu R$ 2 mil) e chamou um comparsa para incendiar o carro dela. Nesse intervalo, Giovana tentou mostrar normalidade - no domingo, foi ao aniversário da sobrinha.

Às 23h de segunda, logo após o Dia dos Namorados, tudo seguiria conforme o combinado com o matador. Minutos antes de partir para a morte, rezou com uma professora no cursinho, mas disse um adeus frio às amigas. Uma delas pediu um abraço. A resposta: "Não posso. Tenho que ir".

testeselect * from materias where id = 16
1 de Janeiro de 1980
Chacará dos Padres
18 de Dezembro de 2020
Onde Foram Parar os TRENS do Brasil? Por Que o Brasil não tem Trens?
1 de Janeiro de 2021
Esclarecimentos sobre a Casa dos Padres
1 de Janeiro de 1900
A ESTRADA DOS PROTESTANTES E OS PRIMEIROS PRESBITERIANOS EM VOTORANTIM
1 de Janeiro de 1900
Praça 9 de Julho, Largo de Pito Aceso e outras histórias
18 de Fevereiro de 1981
Sobre o rompimento do "tancão" da vila Barão/Nova Esperança
10 de Fevereiro de 2021
O mistério da Casa dos Padres, que assombrou gerações em Sorocaba e Votorantim
12 de Agosto de 2017
Documentário mostra "descoberta" de um marco oculto de Sorocaba


Novas imagensExibir por anoGalerias de imagensArtigos MatériasTemas
Hoje na HistóriaProcurar no siteCidadesReceber atualizaçõesBiografias por categoria
Página no FacebookAutores Biografias<


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine