O “Anjo de Hamburgo”: a brasileira que salvou judeus do holocausto
Autor: Maria Fernanda Garcia
Observatório do 3o. Setor
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2020
Última atualização: 15/12/2020 04:07:38



A brasileira Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa era poliglota, falava quatro idiomas: português, inglês, francês e alemão.



Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa (1940)
Acervo/Fonte: Observatório do 3o. Setor

Com a facilidade em diversas línguas, conseguiu uma nomeação no consulado brasileiro em Hamburgo, na Alemanha, onde passou a ser chefe da Seção de Passaportes.

Galeria de imagens
Mulheres na história do Brasil
3 imagens


Em 1938,entrou em vigor no Brasil a Circular Secreta 1.127, que restringia a entrada de judeus no país. Aracy ignorou a circular e continuou preparando vistos para judeus, permitindo sua entrada no Brasil.

Como despachava com o cônsul geral, ela colocava os vistos entre a papelada para as assinaturas, fazendo com que ele permitisse, sem saber, a vinda de judeus para o país.

Para obter a aprovação dos vistos, Aracy simplesmente deixava de pôr neles a letra “J”, que identificava quem era judeu.

Arriscando seu emprego e sua vida com esse gesto, Aracy livrou muitos judeus dos campos de concentração e da morte já certa.

Ver mais
Mulheres na história do Brasil
105 registros

Paranaense, Aracy nasceu em Rio Negro, filha de pai português e mãe alemã, ainda criança foi morar com os pais em São Paulo.

Aracy foi casada com o alemão Johann Eduard Ludwig Tess, com quem teve o filho Eduardo Carvalho Tess, mas cinco anos depois se separou, indo morar com uma irmã de sua mãe na Alemanha.

Ainda na Alemanha, Aracy casou-se com João Guimarães Rosa, à época cônsul adjunto. Os dois permaneceram na Alemanha até 1942, quando o governo brasileiro rompeu relações diplomáticas com aquele país e passou a apoiar os Aliados da Segunda Guerra Mundial.

Ver mais
Primeira e Segunda Guerra Mundial
68 registros

Aracy e Guimarães Rosa ficaram quatro meses sob custódia do governo alemão. Só conseguiram ser salvos porque foram trocados por diplomatas alemães. O livro de Guimarães Rosa “Grande Sertão: Veredas”, de 1956, foi dedicado a Aracy.

Aracy foi agraciada pelo governo de Israel com o título de “Justa entre as Nações”, dado a apenas mais um brasileiro (Souza Dantas), por ter salvado a vida de muitos judeus, conseguindo que eles entrassem ilegalmente no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas.

Getúlio Dornelles Vargas
19 de Abril de 1882
24 de Agosto de 1954

Presidente do Brasil, Senador, Advogado, Ministro de Governo


Ela também ficou conhecida como o “Anjo de Hamburgo”. Aracy ficou viúva em 1967 e não casou novamente. Faleceu em 28 de fevereiro de 2011, em São Paulo.

Temas relacionados
Mulheres na história do Brasil
Primeira e Segunda Guerra Mundial
Getúlio Dornelles Vargas
1882 - 1954
Galerias de imagens
Mulheres na história do Brasil
3 imagens

testeselect * from materias where id = 41
1 de Janeiro de 2002
Os soldados brasileiros de Hitler: centenas lutaram ao lado dos nazistas
4 de Abril de 1977
A estranha cronologia do caso "Celso Daniel"
1 de Dezembro de 2020
Cinco maiores roubos da história do Brasil e do mundo
7 de Maio de 1915
Frederick Stark: Engenheiro, especialista em represas e bondes foi morto num ataque alemão
5 de Maio de 1852
"Amante não tem lar; Amante nunca vai casar"
1 de Janeiro de 1980
Chacará dos Padres
18 de Dezembro de 2020
Onde Foram Parar os TRENS do Brasil? Por Que o Brasil não tem Trens?
1 de Janeiro de 2021
Esclarecimentos sobre a Casa dos Padres
1 de Janeiro de 1900
A ESTRADA DOS PROTESTANTES E OS PRIMEIROS PRESBITERIANOS EM VOTORANTIM
1 de Janeiro de 1900
Praça 9 de Julho, Largo de Pito Aceso e outras histórias


Novas imagensExibir por anoGalerias de imagensArtigos MatériasTemas
Hoje na HistóriaProcurar no siteCidadesReceber atualizaçõesBiografias por categoria
Página no FacebookAutores Biografias<


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine