Escolas norte-americanas ensinam que a Amazônia é território internacional?
Autor: Ricardo Prado
Fonte: Jornal Gazeta do Povo

"Escolas norte-americanas ensinam que a Amazônia é território internacional?“Tudo não passa de uma fraude, feita aqui no Brasil e não nos EUA”, critica diplomataPor Ricardo Prado, especial para a Gazeta do Povo[05/01/2018] [18:05]Atualizado em [14/06/2018] às [12:10]0COMENTÁRIOSSCMINRTF ... 0 | Foto: Neil Palmer.“Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós”. A frase proferida em 1989 pelo então senador norte-americano Al Gore, mais tarde vice-presidente dos EUA, é a origem de um dos maiores receios políticos da população brasileira: a internacionalização da Amazônia.

A suposta ameaça de perda de soberania sobre um dos maiores ecossistemas preservados do mundo vem sendo debatida e refutada nas últimas três décadas; uma das declarações de maior destaque foi feita pelo então senador Cristovam Buarque, em 2000, durante um debate em uma universidade nos Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM: Pobres precisam de professores melhores. Mas quem quer essa carreira?“Antes mesmo da Amazônia, gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país”, disse o senador na ocasião, em discurso que se tornou parte da cultura popular brasileira nos anos seguintes; compartilhado nas redes sociais (e, antes delas, por correntes de e-mail) há pelo menos uma década. O tema foi revisitado pelo então ministro da Defesa, Nelson Jobim, durante o III Seminário de Defesa em 2011. Segundo ele, a teoria de internacionalização da Amazônia é “esdrúxula”; todos os países da América do Sul sabem proteger seus territórios não só “para o bem de seus povos, mas também para o bem da humanidade”.Suposto de mapa de livro didático norte-americano que retrataria a Amazônia como território internacional. Reprodução.Controvérsia Defensores da teoria argumentam que uma Amazônia internacionalizada já seria ensinada nos livros didáticos usados em escolas norte-americanas. A base para essa teoria é um mapa adulterado que mostra a área correspondente à floresta amazônica como um “território internacional” e que circula na internet desde o começo dos anos 2000. A tese foi refutada repetidamente pelo diplomata Paulo Roberto de Almeida, que atuava como ministro conselheiro na Embaixada do Brasil em Washington em 2000, durante as primeiras discussões sobre o caso. “Esta ‘notícia’ aparentemente tão alarmante não tem base”, diz Almeida. “Posso, sem hesitar, afirmar que os Estados Unidos não querem amputar um pedaço da nossa geografia nas escolas do país e que os supostos mapas simplesmente não existem.” Farsa para propagar ideaisDe acordo com Almeida, a teoria é uma farsa criada por nacionalistas de extrema direita e divulgada no Brasil pela esquerda, em uma tentativa de propagar ideais anti-imperialistas. LEIA TAMBÉM: Eis os principais erros de português que você comete – e não sabe“Essa história foi encampada pela extrema direita, que veio com esse soberanismo, o controle das ‘fabulosas riquezas da Amazônia’, o que é outra fraude. E a esquerda, pelo seu anti-imperialismo natural, seu antiamericanismo infantil, também fica repetindo essas bobagens”, explica, em entrevista à Gazeta do Povo.“Em 2001 a notícia acabou sendo disseminada por professores da UNESP e da Unicamp, alguns supostamente militantes de esquerda, na verdade atuando aqui como ‘inocentes inúteis’ dos mesmos manipuladores da direita”, aponta. A qualidade das imagens que circulam na internet e o próprio conteúdo delas evidenciam a farsa. “Esse é um assunto que surgiu há 17 anos, com montagens falsas, com livros supostamente feitos nos EUA e com inglês macarrônico”, pondera Almeida. “Na verdade, tudo não passa de uma fraude, feita aqui no Brasil e não nos EUA”, completa. Apesar de o assunto ressurgir ocasionalmente, Almeida garante que a tese de que haveriam forças estrangeiras lutando pelo fim da soberania brasileira na Amazônia é “uma fraude, uma mentira”.“Não existe e nunca houve um projeto de nenhum líder internacional sobre a internacionalização da Amazônia. O que houve foi uma preocupação com os problemas de preservação da floresta, aquela tese errada que não tem nenhum fundamento científico de que a Amazônia seria ‘o pulmão do mundo’. Existe uma preocupação de que, se a Amazônia fosse destruída, o mundo sofreria catástrofes ambientais irremediáveis, mas isso é outra bobagem”, conclui. VOCÊ CONHECE MESMO O IMPACTO DO JORNALISMO?A informação em que você pode confiar é a mesma que contribui para uma sociedade melhor."Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/escolas-norte-americanas-ensinam-que-a-amazonia-e-territorio-internacional-04m142dlps0u38tmgbl0frecc/Copyright © 2020, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

testeselect * from materias where id = 50
1 de Janeiro de 1980
Chacará dos Padres
18 de Dezembro de 2020
Onde Foram Parar os TRENS do Brasil? Por Que o Brasil não tem Trens?
1 de Janeiro de 2021
Esclarecimentos sobre a Casa dos Padres
1 de Janeiro de 1900
A ESTRADA DOS PROTESTANTES E OS PRIMEIROS PRESBITERIANOS EM VOTORANTIM
1 de Janeiro de 1900
Praça 9 de Julho, Largo de Pito Aceso e outras histórias
18 de Fevereiro de 1981
Sobre o rompimento do "tancão" da vila Barão/Nova Esperança
10 de Fevereiro de 2021
O mistério da Casa dos Padres, que assombrou gerações em Sorocaba e Votorantim
12 de Agosto de 2017
Documentário mostra "descoberta" de um marco oculto de Sorocaba


Novas imagensExibir por anoGalerias de imagensArtigos MatériasTemas
Hoje na HistóriaProcurar no siteCidadesReceber atualizaçõesBiografias por categoria
Página no FacebookAutores Biografias<


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine