Wildcard SSL Certificates
1977
1978
1979
1980
1981
1982
1983
1984
1985
Registros (64)PessoasCidades




NAO DSSS!!!



Falecimento de Amácio Mazzaropi: 100 fatos e curiosidades sobre ele
13 de junho de 198104/04/2024 21:11:30

Amácio Mazarropi e Hebe Camargo
Data: 01/09/1980
Créditos: Reddit
Teatro da TV Bandeirantes

1) Amácio Mazzaropi nasceu em São Paulo, no dia 9 de abril de 1912. Ele faleceu aos 69 anos no Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

2) Filho de Bernardo Mazzaropi, imigrante italiano e Clara Ferreira, portuguesa.

3) com apenas dois anos de idade sua família muda-se para Taubaté, no interior de São Paulo.

4) O pequeno Amácio passa longas temporadas no município vizinho de Tremembé, na casa do avô materno, o português João José Ferreira, exímio tocador de viola e dançarino de cana verde.

5) Seu avô também era animador das festas do bairro onde morava, às quais levava seus netos que, já desde cedo, entram em contato com a vida cultural do caipira, que tanto inspirou Mazzaropi.

6) Em 1919, sua família volta à capital e Mazzaropi ingressa no curso primário do Colégio Amadeu Amaral, no bairro do Belém.

7) Bom aluno, era reconhecido por sua facilidade em decorar poesias e declamá-las, tornando-se o centro das atenções nas festas escolares.

8) Em 1922 morre o avô paterno.

9) A família muda-se novamente para Taubaté, onde abrem um pequeno bar.

10) Mazzaropi continua interpretando tipos nas atividades escolares e começa a frequentar o mundo circense.

11) Preocupados com o envolvimento do filho com o circo, os pais mandam Amácio aos cuidados do tio Domenico Mazzaroppi em Curitiba, onde trabalha na loja de tecidos da família.

12) Já com quatorze anos, em 1926, regressa à capital paulista ainda com o sonho de participar em espetáculos de circo e, finalmente, entra na caravana do Circo La Paz.

13) Nos intervalos do número do faquir, Mazzaropi conta anedotas e causos, ganhando uma pequena gratificação.

14) Sem poder se manter sozinho, em 1929 Mazzaropi volta a Taubaté com os pais, onde começa a trabalhar como tecelão, mas não consegue se manter longe dos palcos e atua numa escola do bairro.

15) Com a Revolução Constitucionalista de 1932 segue-se uma grande agitação cultural e Mazzaropi estreia em sua primeira peça de teatro, chamada A herança do Padre João.

16) Já em 1935, consegue convencer seus pais a seguir turnê com sua companhia e a atuarem como atores. Até 1945, a Troupe Mazzoropi percorre muitos municípios do interior de São Paulo, mas não há dinheiro para melhorar a estrutura da companhia.

17) Com a morte da avó materna, Dona Maria Pita Ferreira, Mazzaropi recebe uma herança suficiente para comprar um telhado de zinco para seu pavilhão, podendo assim estrear na capital, com atuações elogiadas por jornais paulistanos.

18) Depois, parte com a companhia em turnê pelo Vale do Paraíba. A grave situação de saúde de seu pai complica a situação financeira da companhia de teatro e, em 8 de novembro de 1944, morre Bernardo Mazzaroppi.

19) Dias após a morte de seu pai, estreia no Teatro Oberdan ao lado de Nino Nello, sendo ator e diretor da peça Filho de sapateiro, sapateiro deve ser, acolhida com entusiasmo pelo público.

20) Em 1946, convidado por Dermival Costa Lima da Rádio Tupi, estreia o programa dominical Rancho Alegre, encenado ao vivo no auditório da emissora no bairro do Sumaré e dirigido por Cassiano Gabus Mendes.

21) Em 1950, este mesmo programa estreou na TV Tupi, mas agora contava com a coadjuvação dos atoresJoão Restiffe e Geny Prado.

22) Mazzaropi tinha um hobby, gostava de cantar valsa, MPB e seresta com os seus amigos.

23) Segundo alguns de seus amigos mais próximos, Mazzaropi era homossexual e solitário.

24) Convidado por Abílio Pereira de Almeida e Franco Zampari, Mazzaropi estreia seu primeiro filme, intitulado Sai da Frente, em 1952, rodado pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz, onde produziria mais dois filmes.

25) Com as dificuldades financeiras da Vera Cruz, Mazzaropi faz, até 1958, mais cinco filmes por diversas produtoras.

26) Naquele mesmo ano, vende sua casa e cria a PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi) e passa não só a produzir, mas distribuir os filmes em todo o Brasil. O primeiro filme da nova produtora é Chofer de Praça.

27) Em 1959 é convidado por José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, mais conhecido como Boni, na época da TV Excelsior de São Paulo, a fazer um programa de variedades que fica no ar até 1962. Neste mesmo ano começa a produzir um de seus filmes mais famosos, Jeca Tatu, que estreia nos cinemas no ano seguinte.

28) Em 1961, Mazzaropi adquire uma fazenda onde inicia a construção de seu primeiro estúdio de gravação, que produziria seu primeiro filme em cores, Tristeza do Jeca, que foi também o primeiro filme veiculado na televisão pela Excelsior, ganhando os prêmios de melhor ator coadjuvante, Genésio Arruda, e melhor canção.

29) Cinco anos mais tarde, lança o filme O Corintiano, recorde de bilheteria do cinema nacional.

30) Em 1972 é recebido pelo então presidente da República, o general Emílio Garrastazu Médici, ao qual pede mais apoio ao cinema brasileiro.

31) Em 1973, produz Portugal, minha saudade, com cenas gravadas no Brasil e em Portugal.

32) No ano seguinte, começa a construir em Taubaté um grande estúdio cinematográfico, uma oficina de cenografia e um hotel para os atores e técnicos. A partir de então produz e distribui mais cinco filmes até 1979.

33) Seu 33º filme, Maria Tomba Homem, nunca seria terminado.

34) Depois de 26 dias internado, Mazzaropi morre, vítima de um câncer na medula óssea aos 69 anos de idade no hospital Albert Einstein de São Paulo.

35) Foi sepultado na cidade de Pindamonhangaba, no mesmo cemitério onde seu pai já repousava.

36) Nunca se casou, mas, segundo declarações de seu filho André Mazzaropi, nutriu durante a vida um amor "platônico" pela apresentadora e amiga Hebe Camargo.

37) Deixou um filho adotivo, Péricles Mazzaropi.

38) Em 1994 é inaugurado o Museu Mazzaropi, localizado na mesma propriedade dos antigos estúdios, recolhendo a história da carreira de um dos mais consagrados nomes do cinema, do teatro e da televisão brasileiros.

39) Foi somente na década de 1990 que a cultura brasileira começou a ver de uma outra óptica a obra de Mazzaropi, que durante sua vida sempre foi duramente atacado (ou ignorado) pela crítica e pela intelectualidade.

40) A partir de Chofer de Praça, em 1958, além de ser o protagonista, Mazzaropi também acumula as funções de produtor e roteirista, colaborando frequentemente com os diretores.

41) Recentemente, foi lançada em DVD uma coleção de 22 de seus filmes em sete volumes. Alguns dos filmes tinham no título o nome "Jeca" mesmo ele tendo interpretado esse personagem apenas no filme Jeca Tatu.

42) A Oficina Cultural que homenageia Amácio Mazzaropi foi criada em agosto de 1990 e está instalada num edifício centenário (1912), construído especialmente para abrigar a segunda mais antiga escola normal de São Paulo, a Escola Padre Anchieta.

43) A dupla sertaneja Pena Branca e Xavantinho dedicou a ele uma toada chamada "Mazzaropi", incluída no LP "Cantadô de mundo afora", lançado em 1990.

44) Outra homenagem significativa é o filme longa-metragem Tapete Vermelho, produzido em 2006.

É a história de um caipira (vivido por Matheus Nachtergaele) que resolve mostrar ao filho quem era Mazzaropi.

No caminho até o cinema que exibe um filme do comediante, pai e filho se envolvem com violeiros que venderam a alma ao diabo, com mandingas, com o Movimento dos Sem-Terra, com vigaristas que lhes roubam a mula, com caminhoneiros e até com um milagre em Aparecida.

Experiências que vão render a ambos uma grande lição sobre direitos humanos. A homenagem não para no argumento do filme (que tem direção de Luiz Alberto Pereira): o ator Matheus Nachtergaele compõe um tipo com o mesmo andar e a mesma voz do ídolo.

45) No Carnaval de 2013 a Escola de Samba paulistana Acadêmicos do Tucuruvi prestou uma homenagem a Mazzaropi pelo centenário de seu nascimento em 2012, apresentando o enredo "Mazzaropi: o adorável caipira. 100 anos de alegria".

46) Mazzaropi sempre fazia a estreia dos filmes no cinema acontecia sempre no dia do aniversário de São Paulo (SP), 25 de janeiro, pois como era um feriado, o artista aproveitava para lançar o filme num dia em que as pessoas poderiam ir ao cinema, caso houvesse um segundo filme para lançar no mesmo ano, a outra data escolhida era 07 de setembro, pelo mesmo motivo de levar o público ao cinema no feriado.

47) Mazzaropi produziu e atuou em 32 filmes durante sua vida, sendo 24 deles gravados pela PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi), sendo sua própria produtora e distribuidora de filmes.

48) A preocupação de Mazzaropi com as bilheterias era constante. Segunda conta a atriz Marly Marley, o público da época escondia o bilhete do cinema em caixas de fósforo e emprestava a caixinha para a pessoa que estava fora do cinema com a desculpa de acender o cigarro, mas na verdade era para passar o bilhete duas vezes. Por esse motivo e pela certeza do número de pagantes e espectadores do filme, Mazzaropi adotou o uso do contador manual, muitas vezes ele mesmo estava na bilheteria na hora da sessão.

49) A vida artística de Mazzaropi começou no circo, por isso um dos filmes que ele mais se identificava era o “Betão Ronca Ferro”, filme que se passa num circo.

50) Como a família era contra a escolha de Mazzaropi pela vida de ator, os pais o mandaram para Curitiba durante um período de sua vida para trabalhar na loja de tecidos do avô paterno, mas mesmo trabalhando como vendedor ao apresentar os produtos aos clientes ele fazia poses atuava para conquistar a venda.

51) O caipira de Mazzaropi fez tanto sucesso que, em 1948, a rádio Tupi convidou seu criador para apresentar o programa Rancho Alegre.

52) A atração, depois, fez parte da história da TV, inaugurada em 1950. Ela foi um dos primeiros programas exibidos no país.

53) "Mazzaropi ficou bilionário com o cinema", diz biógrafo do ator, diretor e produtor, Paulo Duarte.

54) O personagem caipira que se tornou símbolo de sua longa história na dramaturgia, por exemplo, foi um tipo com o qual o público se identificou justamente pelas características que viam em comum com ele na ocasião.

55) Quando ele fez o primeiro filme, já tinha passado por todos os outros segmentos. Já tinha trabalhado com circo, teatro, rádio e TV.

56) A propósito, ele estava no dia da inauguração da televisão, foi o primeiro humorista a se apresentar na TV brasileira, no dia da estreia e por isso pode ser considerado o patrono dos cômicos no Brasil.

57) Mazzaropi, no entanto, tinha um hábito: quando ele atingia o ápice em alguma coisa, passava para frente.

58) Esse "passar pra frente" era sempre feito de uma maneira um pouco traumática, porque significava vender tudo o que ele tinha para ir para o próximo estágio. Foi assim que ele acabou indo parar no cinema.

59) Ele sempre se deu muito bem. Era um investidor de alto risco, um cara que tinha esse perfil de arriscar. E tinha sorte também.

60) Ele vendeu tudo o que tinha para comprar um pavilhão.

61) Ele conseguiu comprar um circo.

62) Depois, conseguiu montar a peça de teatro dele, para poder viajar pelo Brasil.

63) Quando começou a fazer filmes, viu as filas dando voltas em torno dos cinemas, com todas as sessões lotadas, e entendeu que era ele quem estava chamando aquele pessoal para o cinema.

64) Ele fez o filme Chofer de Praça , que foi o primeiro bancado do bolso dele.

65) Ele se deu muito bem no cinema e começou a criar uma coisa que todo mundo que faz cinema no Brasil quer fazer, mas ninguém nunca conseguiu: uma indústria sustentável de cinema. Um filme bancava o outro.

66) Os cineastas tentaram fazer isso no cinema várias vezes, com a Vera Cruz, a Atlântica, a Maristela e nada deu certo.

67) O Mazzaropi, que era um cara "caipirão", foi quem acabou conseguindo criar essa indústria e ficou três décadas fazendo um sucesso atrás do outro.

68) E ele trabalhava em um circuito que, em média, tinha 25 salas. Hoje, um blockbuster é lançado em 600 salas e ninguém faz o que ele fazia com apenas 25 salas.

69) Mazzaropi era o cara certo no lugar certo em todos os momentos. Quando aconteceu a Revolução Constitucionalista, ele morava em Taubaté, que era onde as tropas descansavam.

Então, para animá-las, tinha que ter teatro, circo, música. Naquela época, na década de 1930, Taubaté acabou virando um pólo muito efervescente de cultura. E ele viu muitos artistas importantes do Brasil passarem pela cidade. Já de primeira, ele estava no lugar certo.

70) Ele começou no teatro porque o Oscarito teve um problema com uma das peças, precisaram de alguém e colocaram Mazzaropi.

71) No dia da estreia da televisão, ele estava lá. Outros cômicos não puderam ir, então também tem aquela coisa da sorte. Foi ele o cara que conseguiu mostrar a cara primeiro na televisão.

72) Quando chegou ao cinema, ele já tinha uma fama muito grande. O cinema nacional já tinha uma série de artistas, mas que estavam basicamente no Rio de Janeiro.

73) Mas, quando a Vera Cruz começou a produzir em São Paulo, não queriam chamar um cara do Rio para fazer um filme em São Paulo. Naquele momento, o cara de São Paulo famoso no rádio e na TV era o Mazzaropi. Como ele já havia passado por tudo, quando chegou a hora de ir para o cinema, já estava lapidado. E o momento histórico também ajudou.

74) O Brasil estava em um período de industrialização e crescimento, e alguns anos depois surgiria Brasília. Então, o caipira, o nordestino, o pessoal que tinha sido criado nas zonas rurais, estava fazendo o movimento de ida para as capitais.

75) As pessoas estavam se estabelecendo nas cidades para construir o Brasil da indústria, esse Brasil novo. O que o Mazzaropi fazia no circo e no teatro era muito parecido com o que o Genésio Arruda já fazia.

76) O Mazzaropi começou a mostrar na tela o caipira que estava em conflito com a modernização.

77) E ele falava sem muitos filtros, símbolos, signos. Ele sabia que falava para as massas, para as pessoas mais simples e que não podia complicar o discurso, porque as pessoas não entenderiam. O discurso era de fácil acesso.

78) Nem tudo foi obra do acaso. Depois que ele conseguiu se estabelecer, o mais difícil foi fazer a administração, a manutenção do nome, dos personagens, dos filmes. E ele conseguiu chegar a um ponto em que seu nome se tornou uma grife.

79) O povo ia para o cinema sem saber se era Jeca, que personagem era. Se estava escrito Mazzaropi, o pessoal entrava, assistia e dava risada. Então ele conseguiu transformar o nome dele em uma grife.

80) Os cineastas sempre tentaram fazer o remake de filmes do Mazzaropi, mas não funcionava, porque seus filmes só davam certo porque havia ele.

81) Mazzaropi era um elemento fundamental nas coisas que fazia, era um tipo único.

82) O registro de voz dele, o jeito de andar, de se comportar.

No começo da carreira, Mazzaropi sofreu um acidente de carro e isso gerou algumas sequelas, como muitas dores nas costas.

83) Quando foi fazer os filmes, ele inventou um andar meio característico, em que colocava as mãos nas costas, o que acabou sendo incorporado ao personagem, mas que na realidade era uma dieficiência dele.

84) O Mazzaropi não ficou rico, mas bilionário, fazendo cinema no Brasil.

Ele negava, mas provavelmente por medo de ser assaltado.

85) Ele tinha medo de ser uma figura pública.

86) Mazzaropi morava numa casa com lareira, tinha amigos na Academia Brasileira de Letras, frequentava teatros, gostava de ópera, de música clássica, então era o falso caipira.

87) Quando Mazzaropi estava para morrer, houve um incêndio criminoso na sede da PAM Filmes (Produções Américo Mazzaropi). Quando chegaram lá, os cofres estavam arrombados e tudo havia sido levado embora.

88) Em 1961, Mazzaropi, adquire uma fazenda no interior de São Paulo. No local, entre outras coisas, seria construído o seu primeiro estúdio próprio de gravação. Nele, a partir de então, seria lançado o primeiro longa-metragem colorido do ator, “Tristeza do Jeca”. A obra ainda seria televisionada, através da Excelsior, alguns meses depois.

89) Mazzaropi, nunca foi um aluno exemplar. Longe disso, eram frequentes as vezes em que ele deixava de assistir as aulas, se escondendo dentro das caixas d’águas da região.

90) Mazzaropi, tentou, durante a adolescência, praticar futebol com os demais garotos de sua idade. Não logrando êxito, passa a acompanhar as disputas do lado externo dos campinhos.

91) Segundo consta, diferente da versão oficial, contada por historiadores, ele não teria conhecido cidades como Taubaté, Tremembé ou Pindamonhagaba antes dos 23 anos.

92) Há quem afirme que sua mudança para Curitiba não ocorreu por vontade de seus pais, e sim, por desejo próprio.

93) No começo dos anos 80, o artista participaria do programa de Hebe Camargo, na Rede Bandeirantes. Na atração, ele concederia sua última entrevista.

94) No sul, enquanto viva com o tio, conhece o jovem Ferry, um faquir que trabalhava no chamado “GranCirco Norte Americano.

95) Com a ajuda do novo amigo, falsifica a identidade, e muda-se novamente para São Paulo. Na nova cidade, passa a encenar tipos no bairro do Brás, zona leste da cidade.

96) Com o sucesso conquistado nas rádios Nacional e Tupi, é convidado para estrelar uma atração televisa. Lá, conheceria o já veterano Cassiano Gabus Mendes.

97) Seu último filme foi O Jeca e a Égua Milagrosa de 1980.

98) Na inauguração da Tv Tupi ele fez o primeiro programa da tv brasileira o TV na Taba.

99) Ele escreveu 23 roteiros, produziu 21 filmes e dirigiu 14 fimes, todos seus.

100) Uma frase de Mazzaropi: "Domingo eu venho passar a segunda feira com vocês"
Falecimento de Amácio Mazzaropi: 100 fatos e curiosidades sobre ele

Relacionamentos
-
Cidades (1)
São Paulo/SP
3548 registros


Você sabia?Brasilbook.com.br
1500 (Há 524 anos)
..........

*Mapa de Juan de la Cosa, também referido como carta de Juan de la Cosa




José de Anchieta (1534-1597)
Brasilbook.com.br
..........

⁠Vamos afastar os espinhos, colher as Flores e seguir em frente.




Procurar



Hoje na História


Brasilbook.com.br
Desde 27/08/2017
28375 registros (15,54% da meta)
2243 personagens
1070 temas
640 cidades

Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Contato: (15) 99706.2000 Sorocaba/SP