Wildcard SSL Certificates
1771
1772
1773
1774
1775
1776
1777
1778
1779
Registros (21)



Instruções passadas ao recém-nomeado governador de Minas, D. Antônio de Noronha, o Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Mello e Castro
24 de janeiro de 177504/04/2024 06:13:41

Roberto Martins, por sua vez, critica a perspectiva de que com o declínio da produção aurífera Minas Gerais tenha entrado em declínio econômico tal como afirmado por historiadores como Oliveira Martins, Celso Furtado, Roberto Simonsen e Barros Castro. A diversificação da economia mineira foi capaz de manter o ritmo da atividade econômica. Entre as instruções passadas, em 24 de janeiro de 1775, ao recém-nomeado governador de Minas, D. Antônio de Noronha, o Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Mello e Castro é destacado “as comarcas do Ouro Preto, do Rio das Velhas, do Serro Frio e do Rio das Mortes, de que se compõe a dita Capitania, povoadas de muitos milhares de habitantes, abundantes de tudo o necessário para a vida a preços muito cômodos, e com um extensíssimo comércio para todas as outras capitanias do Brasil”, ou seja, não qualquer descrição de um cenário de decadência econômica. Mesmo com o declínio da mineração a importação de escravos por Minas Gerais não apresenta sinais de declínio. No relatório de transmissão do cargo a seu sucessor, datado de 19 de junho de 1779, o vice-rei do Brasil e governador do Rio de Janeiro, D. Luís de Almeida Portugal, 2º. marquês do Lavradio, refere-se às entradas de escravos para a capitania mineira como algo corriqueiro e frequente, e informa que entre as funções do Provedor da Fazenda se incluía a de emitir “as guias para os escravos que vão para Minas, afim de que estes paguem primeiro os direitos que devem a Sua Majestade”. Na Recompilação de Notícias Soteropolitanas e Brasílicas, publicada em 1802 por Luís dos Santos Vilhena, informa que Minas Gerais já não consegue suprir sua demanda de escravos no Rio de Janeiro tendo de recorrer à Bahia: “o comércio hoje desta praça para Minas Gerais [...] Consiste este na exportação de bastantes escravos que o Rio não pode subministrar-lhes com a precisa abundância”. Segundo Roberto Martins: “A lenda de que o declínio da mineração gerou um estoque de escravos redundantes, ociosos ou subutilizados em Minas Gerais, e que esses escravos foram transferidos para o nascente setor exportador de café no vale do Paraíba, é uma das mais pegajosas, dentre as muitas bobagens inventadas pelos historiadores apocalípticos. Como anotamos acima, tudo indica que esse mito foi criado por Roberto Simonsen, reproduzido por Luís Amaral, Celso Furtado, Antônio de Castro, e outros, e tem sido repetido como uma ladainha, até hoje, por dezenas de autores”.


Procurar


Brasilbook.com.br
Desde 27/08/2017
28375 registros (15,54% da meta)
2243 personagens
1070 temas
640 cidades

Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Contato: (15) 99706.2000 Sorocaba/SP