Wildcard SSL Certificates
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
Registros (135)




NAO DSSS!!!



“A dúvida dos pelourinhos Pródromos da Fundação e os Beneditinos”. Otto Wey Netto é professor, advogado e ex-redator deste jornal. Membro da Academia Sorocabana de Letras e Instituto Histórico Sorocabano (Jornal Cruzeiro do Sul)
20 de fevereiro de 201404/04/2024 22:36:45

Revista genealógica brasiliera, Volumes 3-4
Data: 01/01/1942
Página 72

Por alguns anos, a partir de 1575, o português Afonso Sardinha e seu filho, com mais alguns índios, saindo das margens do Rio Pinheiros (Butantã), "atravessando campos sem estradas em mata fechada", foram se assentar nos sopés do morro Araçoiaba, num local conhecido por Furnas. Tinham notícia que a região era rica em ouro e prata. Sobretudo, encontraram um solo onde o minério de ferro aparecia à flor da terra. Outros colonizadores foram chegando atraídos pelo mesmo motivo.

Apesar do arraial se desenvolver e ser reconhecido como Vila, em 1599, pelo General Francisco Luiz Carneiro de Souza, Conde da Ilha do Príncipe, que determinou a colocação do pelourinho, sob a invocação de N. S. do Monteserrate, o povoado não prosperou. A explicação é óbvia, o donatário fixou o pelourinho naquele local, pois ficaria com a metade do ouro a ser extraído. Como não havia ouro e prata, com a quantidade esperada, os mineradores pediram a transferência do pelourinho para o campo do Itavuvu.

Essa mudança foi aprovada em 1611 pelo mesmo General, que agora já havia recebido o titulo de "governador das capitanias e das minas do sul". Segundo o historiador Aluisio de Almeida, essa transferência do Araçoiaba para Itavuvu, não teria ocorrido, pois no Itavuvu, já estaria colocado o pelourinho, denominado oficialmente como São Felipe, em honra ao Rei da Espanha e Portugal, com o nome de N. S. da Ponte de Sorocaba.

Todavia, essa discrepância não vingou, pois as terras dos dois povoados já haviam sido redistribuídas, juntamente com as vilas de Sarapui, Iperó, Piragibu, Pirapitingui e Itu. Tal ocupação de terras ocorreu, principalmente de 1601 a 1646. Entre os beneficiados estavam Domingos Fernandes Mourão e seus irmãos André e Balthazar, que já trabalhavam com currais de gados, em campos de Sorocaba (hoje bairros de Santa Rosália e Vila Barão), bem como, Diogo do Rego Mendonça, Braz Teves e seu genro Paschoal Moreira Cabral, além de Jacinto Moreira Cabral.

Os irmãos Fernandes Mourão tinham uma autêntica vocação bandeirante : Domingos foi um dos fundadores de Itu (1610). André fundou Parnaíba, que já era Vila (1625). Balthazar que havia se fixado no Itavuvu, na margem do Rio Sorocaba (mais caudaloso, pois não existiam represas), além de terra com barro próprio para as casas de taipa, resolvera mudarse mais ao centro de Sorocaba.

A Vila dispunha de todos os recursos para progredir. Com auxílio de mais de 400 índios, construiu a primeira grande ponte da Província, sobre o Rio Sorocaba. Em 1654, Balthazar Fernandes Mourão, com auxilio de dois genros, castelhanos do Paraguai, André e Bartholomeu de Zunega, e Gabriel Ponce de Leon, marcaram seus nomes como fundadores de Sorocaba.

Apoio dos beneditinos

Balthazar estava terminando a construção de sua casa grande às margens do Lageado (hoje Av. Pereira Ignácio, em direção a Votorantim). Com auxilio de dois monges beneditinos: Freis Anselmo da Anunciação e Mauro da Trindade Vieira, conseguiu terminar em 1667 a construção da Capela de Sant"Ana e do Convento dos Beneditinos, iniciando uma total transformação urbana. Balthazar cedeu à Ordem de São Bento, uma considerável porção de terras.

A atual praça Carlos de Campos foi incorporada como Largo Santa Cruz de São Bento. A história destaca ainda o trabalho do monge beneditino Pedro de Souza, especialista em minereologia, que em 1680, depois de muito trabalho, conseguiu extrair e fundir nas minas do Araçoiaba, uma insignificante porção de minério de prata. Durante toda sua existência o Mosteiro de São Bento passou por algumas dificuldades, principalmente entre 1893 a 1905, quando não pode contar com novos monges. Desocupadas suas instalações, foram cedidas às freiras beneditinas do Santa Escolástica, até o término da Capela e das dependências da Irmandade na rua do Rosário (hoje Souza Pereira).

Sorocaba foi crescendo e a Ordem Beneditina foi permitindo a abertura de novas ruas. Uma doação marcante ocorreu por volta de 1810, de uma área localizada na rua do Mosteiro (hoje São Bento) esquina com a rua Municipal (hoje Padre Luiz), onde Manoela de Santa Clara e Rita de Santa Ignez, fundaram o "Recolhimento de Santa Clara" (já demolido). Mas a principal doação foi a área localizada atrás do Mosteiro, no final do governo imperial, para a localização do chamado "JARDIM PÚBLICO", depois "JARDIM DOS BICHOS" e hoje PRAÇA FREI BARAÚNA.

O final do governo imperial e início da primeira república, assinalaram um forte desenvolvimento em nossa cidade, graças ao decidido apoio dos beneditinos. Em abril de 1878, o Capítulo Beneditino da Bahia, elegeu para dirigir o Mosteiro de Sorocaba, Frei Joviniano de Santa Delfina Barauna, baiano de nascimento, com 68 anos (03/04/1825 _ 09/12/1893).

A eleição do novo Prior foi noticiada na edição de 15/05/1878 da "Gazeta de Sorocaba", jornal que na época era dirigido por Gaspar da Silva, depois Visconde de São Boaventura. A sua chegada em Sorocaba, também noticiada pelo mesmo jornal, deuse em 11 de agosto daquele ano, sendo recepcionado na estação da Companhia Sorocabana pelo chamado "trem da tarde", com a presença das principais autoridades, muitos populares e "banda de música". Ainda pelo mesmo jornal, Frei Baraúna agradeceu a recepção das autoridades, do povo e da "Philarmônica Sorocabana".

Frei Baraúna foi o último monge a viver no Mosteiro no fim do Império. Foi ele quem assinou a cessão de direitos para que o governo municipal construísse o Jardim Público, inaugurado em 05 de maio de 1889 por Antonio José Ferreira Braga, o último intendente imperial de nossa Sorocaba (1885/1889). Amante da flora e da fauna brasileiras, Frei Baraúna acompanhou a instalação do Jardim, transformandoo no maior e mais completo ambiente recreativo do Município.

A importância do "Jardim dos Bichos" era tão grande que o CRUZEIRO DO SUL em sua edição de 09 de abril de 1916, publicou com destaque a seguinte matéria: NO JARDIM DOS BICHOS O Jardim Público da Praça Frei Baraúna, procedeu a inauguração de sua nova coleção zoológica: 1 casal de pavões 1 casal de cisnes 2 araras 2 perdizes 14 urús 1 gralha pintada 1 anta 1 onça pintada 2 bugios 2 coatis 1 jacaré 1 sucuri 1 jobóia 1 bicho preguiça 1 casala de veado pardo 1 casal de veado galheiro 3 veados catingueiros 1 paca 2 cotias 4 catetos 3 micos 1 serelepe 1 gato preto do mato" ¿ Segundo se sabe, o "Jardim dos Bichos" tinha um espaço maior do que apresenta hoje, abrangendo algumas ruas (Arthur Martins, Sarutaiá, Voluntários de Sorocaba e outras). Havia inclusive, um pequeno lago numa de suas laterais. O intendente (agora republicano) Dr. Braguinha (1892/1895) voltou a dar nova força ao "Jardim dos Bichos". A homenagem ao Frei Baraúna é mais do que merecida, tal a importância que ele e seus companheiros da Ordem de São Bento desenvolveram pelo progresso de nossa Sorocaba.

Observação O Araçoiaba é rico em APATITA, um mineral de forma hexagonal composto de fósforo de cálcio com flúor, são chamadas "rochas fosfóricas" e semelhantes ao minério de prata. É matéria prima de muitos fertilizantes e do ácido fosfórico. É também vulgarmente conhecida como "rocha enganosa", capaz de enganar muitos mineradores. (Não seria o "caso" de Afonso Sardinha?).

Relacionamentos
-
Pessoas (2)
Afonso Sardinha, o Velho (1535-1616)
Falecido há 398 anos / 376 registros
Balthazar Fernandes (1580-1667)382 registros
-
Cidades (2)
Araçoiaba da Serra/SP
726 registros
Sorocaba/SP
11000 registros
-
Temas (7)
Bairro de Aparecidinha
112 registros
Bairro Itavuvu
218 registros
Capela “Nossa Senhora da Ponte”
60 registros
Capela de Santa Ana de Sorocaba
24 registros
Ermidas, capelas e igrejas
601 registros
Jardim Santa Rosália
148 registros
Pelourinhos
62 registros


Você sabia?Brasilbook.com.br
14 de abril de 1912 (Há 112 anos)
..........

A famosa frase sobre Titanic, “Nem Deus pode afundar esse navio”, atribuída ao capitão do transatlântico, é amplamente conhecida e frequentemente associada ao tripulante e a história de criação. No entanto, muitos podem se surpreender ao saber que essa citação nunca existiu. Diversos historiadores e especialistas afirmam que essa declaração é apenas uma lenda que surgiu ao longo do tempo, carecendo de evidências concretas para comprová-la. 13972§




Frases
Brasilbook.com.br
..........

Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.

Primeira Epístola de Paulo aos Coríntios
14/05/2024

erro




Procurar



Hoje na História


Brasilbook.com.br
Desde 27/08/2017
28375 registros (15,54% da meta)
2243 personagens
1070 temas
640 cidades

Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Contato: (15) 99706.2000 Sorocaba/SP