Wildcard SSL Certificates
2017
2018
2019
2020
2021
2022
2023
2024
100
Registros (133)




NAO DSSS!!!



Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840
202113/04/2024 17:54:20

Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840
Data: 01/01/2021
Página 9

quatro vezes em 10 anos, nos dois países. O regente Feijó garantiu privilégios aquem implantasse ferrovias, em 1835, mas os primeiros quinze quilômetros sóforam inaugurados por Mauá em 1854.

Mesmo com o crescimento da demanda por ferro e ainda que fosse conhecida a existência de jazidas de minério de ferro no país, apenas uma siderúrgica funcionou no Brasil, ao longo do século, produzindo ferro fundido e ferro batido, as matérias-primas da indústria: a Fábrica de Ferro de Ipanema, em Sorocaba.

Coexistiu com uma centena de pequenas “forjas”, em Minas Gerais, cuja produção total de ferro batido não chegava a mil toneladas anuais, em 1885. Só em 1890, uma segunda siderúrgica, privada, entra em funcionamento regular: a Usina Esperança, em Itabirito, Minas Gerais, produzindo ferro fundido.19 Ipanema foi o maior investimento siderúrgico brasileiro no século XIX e, a despeito das muitas interrupções, produziu milhares de toneladas de ferro. Desde o início, em 1810, os diretores procuraram atender às demandas do mercado: além de lingotes de ferro-gusa para refusão em fundições e barras de ferro batido para uso em ferrarias e serralherias, Ipanema produzia o que chamavam de ferromodelado, em produtos como chapas de fogão (as chapas com três bocas, usadasem fogões à lenha), panelas e peças para as moendas de cana,20 além de caixasde rapé, castiçais e bustos de artistas.21 O acervo presente hoje na Floresta Nacionalde Ipanema mostra vasos ornamentais, escadas em espiral e grades de janelas.Por volta de 1840, a Fábrica, na prática, era uma fundição de produtosacabados. O balanço de sete anos de operação, entre 1834 e 1841, totaliza aprodução em 100 toneladas de ferro batido em barras e 904 toneladas de “ferromodelado”. Cita mais de 50 produtos diferentes, incluindo 139 balaústres, 2.197caçarolas, 326 chapas de fogão, 647 cilindros para engenhos de açúcar, 15ferros de engomar e 5 varandas. Esse balanço22 lista para quem foram vendidoscilindros para engenhos de açúcar. Com base nele, é possível listar o número declientes de cada localidade, na província de São Paulo:

Vila de Itu (31), Capivari (23), Porto Feliz (18), Campinas (17), Constituição/Piracicaba (12), Limeira (3),Sorocaba (5), Mogi Mirim (4), São Paulo (3), Jundiaí (2), Pirapora (3), Santos (3). A Fábrica atendeu também clientes da província de Minas Gerais, em Jacuí, Pouso Alegre, Caldas, Soledade, São Gonçalo e Lavras do Funil, e do Mato Grosso(Cuiabá), além de mandar material para os arsenais no Rio de Janeiro.

A Figura 1mostra a área do mapa da província de São Paulo editado em 1848, destacandoalgumas das localidades acima citadas e os caminhos que existiam entre elas. (página 5)

A estrada de Sorocaba a Juquiá foi assunto repetitivo na província de São Paulo, durante o século XIX. Martim Francisco escreveu75 sobre essa possibilidade em 1805. Gastão Stokler, morador de Juquiá em 1840, comentou que “pouco se usa e se recomenda o caminho do Picadão, que sai de Itapetininga, desce a serra agreste e inóspita com muita dificuldade e pode se chegar ao Juquiá”.76 Carlos Rath, um engenheiro alemão radicado em São Paulo, investigou a região entre 1845 e 1850 e comentou que “estes sertões são os que têm tornado todos osesforços do governo inúteis para estabelecer vias comerciais de povo a povo.

Ainda hoje (1853) não existe uma via que possa servir de comunicação, depoisde se ter gasto mais de cem contos de réis”.77 A despeito dos obstáculos, 30 anosdepois, outro diretor de Ipanema insistiria nesse tema, em vários relatórios anuaisda Fábrica: construir uma estrada até o porto do Juquiá.78 Um mapa da província,editado em 1886, previa a existência de uma ferrovia que ligaria Sorocaba aIguape, como mostra a Figura 5. Esse projeto de ferrovia também não foi executado,inviabilizado no Encilhamento.

Quanto aos canhões, o ministro julga importante a fundição de artilhariano Brasil, mas “persuado-me ser do meu dever observar que não convém fundirpeças de ferro de menor calibre79 que o de 12.” A afirmação de que à Marinhasó interessavam canhões de calibre maior do que 12 libras inviabilizava apossibilidade de Ipanema atendê-la pois, mesmo que os dois altos-fornos fossemoperados juntos, não seriam capazes de produzir a quantidade de metal líquidonecessária para produzir canhões daquele tamanho. Um canhão inglês de 12libras e 8 pés de comprimento, que era usado em fragatas, pesava três toneladase meia.80 A proposta de Bloem morre ali, naquele parecer. Não foram liberadosrecursos para a proposta da oficina de Juquiá, nem os canhões foram enviados àCorte. Os canhões, entretanto, viveriam outras peripécias.O canhão de calibre de 6 libras é hoje parte do acervo do Museu Paulistae os outros dois estão expostos à intempérie na chamada praça dos canhões, nocentro da cidade paulista de Sorocaba. Todos aqueles canhões de ferro fundidoque podem ser vistos espalhados pelas fortalezas da costa brasileira foramimportados. Pelo que se conhece, os únicos fundidos no Brasil são os três canhõesaqui citados e dois outros menores, de salva, todos fabricados sob a direção deJoão Bloem. A fundição da Bahia chegou a fazer algumas armas no século XVII eo Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro também fundiu umas poucas peças em1820. Entretanto, o trabalho de fundição de bocas de fogo só se tornou comumno período da Guerra do Paraguai, tanto no Arsenal de Guerra quanto no deMarinha, mas todas essas armas eram de bronze, um material que dependia deinstalações menos complexas para ser trabalhado. (Página 19)

Em 27 de março de 1844, João Bloem foi promovido a tenente-coronel, situação ironizada pelo jornal O Brasil, numa nota intitulada Pergunta inocente: na lista dos agraciados aparece o nome de um militar Bloem: quem será esse senhor? Será o mesmíssimo diretor do Ipanema que ainda outro dia foi processado por haver quanto em si coube coadjuvado os esforços dos Fidelíssimos? Não pode ser porque nesse caso deveria o senhor Tobias estar marquês de Sorocaba, o senhor José Feliciano marquês de Cocaes e o senhor Ottoni duque de Paraibuna. Quem será pois? Afirmam que é ele próprio e que o resto dos despachos ficou para o dia 25 de março. [Página 23]
*Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840

Relacionamentos
-
Pessoas (5)
Diogo Antônio Feijó (1783-1843)
53 registros
Irineu Evangelista de Sousa
21 registros
João Bloem
46 registros
Luís Alves de Lima e Silva (1803-1880)
Falecido há 141 anos / 161 registros
Rafael Tobias de Aguiar (1794-1857)
121 registros
-
Cidades (4)
Araçoiaba da Serra/SP
726 registros
sem imagemJuquiá/SP
70 registros
Santos/SP
679 registros
Sorocaba/SP
11000 registros
-
Temas (6)
Estradas antigas
1161 registros
Fazenda Ipanema
415 registros
Ferrovias
256 registros
Pontes
253 registros
Revolução Liberal
127 registros
Rio Sorocaba
386 registros
Os canhões de Ipanema: tecnologia, indústria, logística e política em 1840
Data: 01/01/2021
Página 19


Você sabia?Brasilbook.com.br
2016 (Há 8 anos)
..........

Como explicar a colonização ter iniciado-se na América e não na África? A África era mais próxima e a conheciam melhor. O périplo africano inicia por volta de 1412, com a tomada de Ceuta. A viagem de Vasco da Gama foi 1497 e a de Bartholomeu Dias em 1499. Ou seja, temos quase 1 século de conhecimento da África. Mas a colonização deu-se na África, mas sim na América.




Frases
Brasilbook.com.br
..........

Não me importo de perder pessoas que não querem mais estar na minha vida. Perdi pessoas que significavam o mundo para mim, e ainda estou indo muito bem.

Publicação de James Jordan
13/05/2024

erro




Procurar



Hoje na História


Brasilbook.com.br
Desde 27/08/2017
28375 registros (15,54% da meta)
2243 personagens
1070 temas
640 cidades

Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Contato: (15) 99706.2000 Sorocaba/SP