Wildcard SSL Certificates
Ano:  
InícioHistóriaBiografiasCidadesTemas
'



1805180618071808180918101811

História
Biografias
Cidades
Matérias
Decreto do Príncipe D. João estabelece a primeira fábrica de pólvora
Sexta-feira, 13 de Maio de 1808
Fonte: BEDIAGA, 2007, p. 1.139; Felipe Pessanha de Almeida


A Real Fábrica de Pólvora foi criada pelo decreto de 13 de maio de 1808 e estabelecida na Fazenda da Lagoa Rodrigo de Freitas, que fora adquirida pela Coroa por meio de subscrição voluntária entre os moradores da cidade e em cujas terras também foi instalado um jardim botânico (BEDIAGA, 2007, p. 1.139).A transferência da corte portuguesa para o Brasil deu início a uma profunda reorganização das forças militares em terras brasileiras, dotando o Exército e a Armada de uma importante infraestrutura a partir da criação de escolas militares, arsenais, fábricas e oficinas voltadas para o reaparelhamento do material bélico, além da organização da administração orçamentária das instituições militares (LOBO, 2014).A partir de 1824 iniciou-se um processo de estudos para a instalação da fábrica em outra localidade. Problemas decorrentes do sistema de drenagem, o excessivo desmatamento das encostas do Corcovado e o permanente desvio dos recursos hídricos da região da Lagoa passaram a comprometer a produção da fábrica por falta de força motriz. Além disso, os riscos que a produção de pólvora representava gerava protestos de seus vizinhos na área da Lagoa Rodrigo de Freitas (MOREIRA, 2005). A localidade da Serra da Estrela, no distrito de Magé, próximo ao Porto da Estrela e do caminho para Minas Gerais, principal região produtora de salitre – uma das matérias primas básicas para a produção de pólvora – seria escolhida como a nova sede para a fábrica. A transferência, iniciada em 1826, seria concluída apenas em 1832, quando a fábrica da Lagoa seria finalmente fechada e novos estatutos seriam aprovados em 21 de fevereiro desse ano para o seu funcionamento em nova sede, no pé da serra da Estrela.De acordo com o novo regulamento, a administração da fábrica seria desligada do Arsenal de Guerra da Corte e sua direção seria confiada a um diretor diretamente subordinado ao ministro da Guerra, auxiliado em suas funções por um vice-diretor, sendo que ambos deveriam ser obrigatoriamente oficiais militares. Fariam parte ainda da estrutura da fábrica um almoxarifado, uma pagadoria, uma enfermaria, um laboratório de fogos de artifício e sete classes de oficina para a fabricação da pólvora, a saber: refinação; polvorização; mista; trituração; granização; carpintaria e tanoaria; e ferraria, latoaria e fundição.Nesse primeiro momento de instalação da fábrica na Estrela, a mão de obra utilizada nas oficinas era basicamente composta por escravos da nação e africanos libertos. Devido ao isolamento da fábrica, seu esquema de funcionamento precisava buscar dar conta de toda uma estrutura de subsistência de seus empregados em um sistema, para usar um termo contemporâneo, ruro-fabril, ou misto, pois nele empregavam-se tanto mão de obra cativa – nos trabalhos que não necessitavam uma especialização da mão de obra – quanto livre, no caso dos poucos operários especializados, mestres, feitores e, naturalmente, dos administradores da fábrica. Dessa forma, além da administração relativa ao fabrico da pólvora, fazia-se necessário também uma organização que oferecesse alimentação, vestuário e cuidados de saúde dos funcionários da fábrica. Esses serviços, além da responsabilidade pelo corte da madeira, do cuidado do gado e das roças dos escravos, ficavam à cargo do feitor. Em um sistema de produção baseado na autossuficiência, funcionavam ainda na fábrica, além do já citado serviço médico, que por diversas vezes atendia também a população vizinha à fábrica, uma prisão e uma capela. Todos esses serviços eram imediatamente subordinados ao diretor e ao vice-diretor da fábrica.Durante essa primeira década, a fábrica funcionaria regida por esse regulamento de 1832, com uma breve interrupção no ano de 1833, quando seria aprovado um novo regulamento através do decreto de 11 de novembro, que diminuiria para quatro o número de oficinas, sendo uma de refino, uma de fabrico de pólvora, uma de carpintaria e a última de ferraria e latoaria. Entretanto, em 1835, o decreto de 10 de fevereiro determinaria a nulidade do regulamento em vigor e a volta ao regulamento de fevereiro de 1832, com suas sete classes de oficinas. Em 1840 um novo regulamento seria aprovado para a fábrica, mas que pouco alteraria sua estrutura de funcionamento, apenas acrescentando como funcionários um porteiro, um escriturário e fiéis e guardas em número necessário para o funcionamento dos depósitos e oficinas, regulando também seus vencimentos. Esse novo regulamento perduraria até o ano de 1855, quando reformas mais profundas seriam feitas no regime de trabalho na Fábrica de Pólvora.O sucesso que a fábrica obteve em sua primeira década de funcionamento não seria repetido nos anos de 1840. Se, durante a década de 1830, a produção da fábrica mostrava-se sempre crescente, chegando à produção de 8.000 arrobas anuais em 1837 – marca estimada para a autossuficiência do governo – em 1842, a produção cairia para apenas 6.000 arrobas anuais, insuficiente, inclusive, para o seu custeamento, forçando o governo a fazer constantes injeções de capital na fábrica. Os principais motivos apontados pelos administradores para a diminuição dessa produção era o contrabando da pólvora inglesa, que, por ser mais barata, vencia a concorrência no mercado nacional, além das dificuldades de venda da pólvora nacional nas províncias, em decorrência das grandes distâncias acrescidos pelo alto custo de manutenção da fábrica.Esse quadro estacionário da produção deu razão a uma profunda reavaliação do sistema produtivo da fábrica. O sustento dos funcionários da fábrica não eram cobertos pela roça e pela criação de gado existentes e a mão de obra compulsória passou a ser vista como demais custosa para a nação. O diretor da fábrica Jerônimo Francisco Coelho apontava em seu relatório apresentado ao ministro da Guerra do ano de 1853, que “a parte do estabelecimento propriamente destinada ao fabrico de pólvora, parece antes um acessório do que essencial e fundamental”. Segundo o relatório, a fábrica possuía um número excessivo de escravos de ambos os sexos, totalizando “370 indivíduos, dos quais 100 ou são incapazes, ou ainda não capazes de serviço algum, e muitos outros inaplicáveis, como oficiais de ofício (em número de 69) que nenhuma relação necessária com o fabrico de pólvora, e tudo tratado e sustentado e pago a custa da nação (FÁBRICA DE PÓLVORA, 1853, pp. 2-4).A solução proposta pelo diretor foi a redução dos serviços acessórios da fábrica que não estivessem estritamente vinculados à produção de pólvora, bem como o afastamento daqueles que não estavam inseridos nessa produção, como as mulheres, crianças, velhos e doentes. Propunha ainda que o trabalho de cativos e de africanos livres fosse abolido no estabelecimento, mantendo apenas uns trinta cativos necessários para alguns serviços braçais e para o corte de madeira. No demais, os operários da fábrica deveriam ser homens livres que trabalhassem num regime militarizado. Com essas premissas, o regulamento da fábrica seria reformado e aprovado com a edição do decreto n. 1.709, de 29 de dezembro de 1855. Na nova organização, foi abolido o cargo de vice-diretor, sendo criado para auxílio do diretor dois cargos de ajudantes do diretor, ou mais se esse achasse necessário, ambos retirados da classe dos oficiais militares e com patente inferior ao diretor da fábrica, além de um agente de compras. Para suprir a mão de obra escrava que se buscava abolir, foi criada uma companhia de artífices, contando com 50 praças. As oficinas seriam também reformadas, sendo agora divididas em seis envolvidas na produção direta da pólvora, e outras duas auxiliares. Uma para os trabalhos de carpintaria e outra para os de ferraria e serralheria.Apesar das mudanças intentadas com o decreto de 1855, o funcionamento da fábrica ainda não era visto como satisfatório pelos seus administradores. A substituição da mão de obra cativa seguia em ritmo lento, os serviços acessórios ainda consumiam muito do orçamento da fábrica e a produção no ano de 1858 foi de apenas 1.800 arrobas, muito aquém das 10.000 arrobas estimadas que a fábrica produzisse após a implementação da reforma de 1855. Devido a isso, em setembro de 1859, outra comissão é nomeada pelo ministro Manoel Felizardo de Souza Mello com a função de elaborar novos estatutos para a fábrica, que lhes seriam entregues prontamente e aprovados em 17 de março de 1860, através do decreto n. 2.555.De acordo com os novos estatutos, o serviço na fábrica passaria a ser dividido em duas divisões, uma dedicada à produção de pólvora, contando com três seções, e uma segunda, composta por duas seções e responsável pelos serviços acessórios, como manutenção das máquinas e edifícios, administração dos terrenos da fábrica e transporte da produção. A Companhia de Artífices destacada para o serviço na fábrica seria aumentada para sessenta praças, além disso o seu comando seria desvinculado do Arsenal de Guerra da Corte, sendo, a partir desse ato, subordinada diretamente à estrutura de comando da fábrica. Dessa vez as mudanças surtiram o efeito desejado pelos reformadores. Os custos de produção diminuíram e, em 1861, a produção da fábrica chegava a 4.500 arrobas de pólvora, atingindo a marca de 8.000 arrobas já em 1863. A essa otimização da produção seria somada a situação extraordinária da Guerra do Paraguai, e, em 1866, seriam transferidos para a fábrica todos os escravos da nação que se encontravam no Arsenal de Guerra da Corte. Dentro desse contexto a produção da fábrica se elevaria, sendo produzidas entre os anos de 1860 e 1869 mais de 77.000 arrobas de pólvora. Produção alta, mas ainda insuficiente para os gastos na campanha no Paraguai, sendo necessária a importação de pólvora inglesa.Após o término da guerra, a fabricação da pólvora na fábrica da Estrela seria reduzida drasticamente, caindo a apenas 2.406 arrobas no último ano do conflito em 1870. Durante a década de 1870, a produção da fábrica manteria essa baixa média. Os responsáveis pela repartição da Guerra indicavam em seus relatórios que os depósitos para armazenamento da pólvora no Boqueirão, em Inhomirim e na Intendência de Guerra da Corte encontravam-se repletos. Dessa forma, em 26 de fevereiro de 1878, seria expedida a decisão n. 110, que reduziria o corpo de funcionários da fábrica ao mínimo necessário para sua manutenção e suspenderia a produção de pólvora, que só seria retomada no ano de 1884. Ainda de acordo com esse ato o Corpo de Artífices deveria voltar à sua condição anterior ao regulamento de 1860, funcionando como um destacamento do Corpo de Operários Militares do Arsenal de Guerra, sendo subordinados imediatamente ao ajudante do diretor da fábrica.Após seis anos de suspensão dos trabalhos na fábrica, o ministro da Guerra Luís Franco de Sá em seu relatório anual solicita a retomada da produção de pólvora, pois durante esses anos o país vinha importando o produto da Inglaterra, enquanto seus depósitos encontravam-se repletos e a fábrica mostrava-se capaz de produzir pelo menos parte da pólvora necessária para o consumo do país. Dessa forma, solicita autorização para reformar o regulamento da fábrica para que volte a funcionar; solicitação, essa, atendida pelo decreto n. 9.368, de 31 de janeiro de 1885. Esse novo estatuto, por sua vez, pouco alterava a estrutura do regulamento aprovado em 1860, mantendo-se o funcionamento em duas divisões distintas subordinadas ao administrador, contando a primeira com três seções, e a segunda com duas seções para o serviço auxiliar da fábrica. As poucas alterações desse novo regulamento diziam respeito apenas à constituição das oficinas devido aos avanços tecnológicos na produção e melhoramentos da pólvora nessas últimas décadas.

Leis, decretos e emendas

Pela primeira vez

João VI, O Clemente

Reis de Portugal

Família Real



Real Fábrica de Pólvora
Acervo/fonte: Memória da Administração Brasileira
Data: 1820
Duque de Caxias/RJ em 1820
Porto Estrela, hoje município de Duque de Caxias.

em 1808Retrospectiva 1808

214 anos atrás
Janeiro


12/01Tomada de Caiena, capital da Guiana Francesa

14/01Entra no porto do Rio de Janeiro o brigue Voador (comandante F. Maximiano de Sousa), trazend...
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)

17/01Dão fundo na baía do Rio de Janeiro as naus portuguesas Rainha de Portugal (chefe de divisão...
Rio de Janeiro/RJ

22/01Chegada no Brasil da família real portuguesa depois de fugir da invasão francesa de Portugal...
Salvador/BA
8a. Conde de Arcos (37 anos)
João VI, O Clemente (41 anos)

24/01Carta régia promulgada por D. João VI, que tratava da “Abertura dos Portos às Nações Amigas”
Rio de Janeiro/RJ
Leis, decretos e emendas
João VI, O Clemente (41 anos)

28/01Abertura dos portos no Brasil
João VI, O Clemente (41 anos)

28/01Carta régia abrindo os portos do Brasil ao comércio direto com as nações amigas. Foi assinad...
Salvador/BA
João VI, O Clemente (41 anos)

Fevereiro


07/02Decreto criando os cargos de físico-mor e cirurgião-mor do Reino de Portugal, Estados e Domí...

18/02Aviso do príncipe regente dom João, mandando organizar na Bahia a Escola Médica Cirúrgica, p...
João VI, O Clemente (41 anos)

23/02O príncipe regente dom João faz mercê a José da Silva Lisboa da propriedade e da regência de...
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)

24/02Carta régia autorizando o conde da Ponte, governador da Bahia, a empreender meios de defesa ...

25/02Nascimento de José Egídio Gordilho de Barbuda Filho na Ilha da Madeira
Visconde de Camamu

26/02Continuam viagem da Bahia com destino ao Rio de Janeiro a rainha dona Maria I e o príncipe r...
Rio de Janeiro/RJ

Março


06/03António de Araújo e Azevedo chega ao Rio de Janeiro, a bordo da nau Medusa. Estabelece-se nu...
Rio de Janeiro/RJ
Conde da Barca (54 anos)

07/03Chegam ao Rio de Janeiro a rainha dona Maria I e o príncipe regente dom João. A cidade ficou...
Rio de Janeiro/RJ
Maria I de Portugal (74 anos)
João VI, O Clemente (41 anos)
Dom Pedro I (10 anos)
Maçons
Reis de Portugal
Família Real

17/03Portugal dá ultimato aos governantes de Buenos Aires. É o começo do conflito pela Província ...

29/03É instalada a sede do governo da capitania do Rio Negro, na Vila da Barra do mesmo rio, depo...
Manaus/AM

Abril


01/04Alvará do príncipe regente, depois rei dom João VI, permitindo no Estado do Brasil e nos dom...
João VI, O Clemente (41 anos)
Reis de Portugal

01/04Criação do Superior Tribunal Militar (STM)
Rio de Janeiro/RJ

24/04Nascimento de João Caetano dos Santos, o grande ator, no Rio de Janeiro
Rio de Janeiro/RJ

Maio


01/05Manifesto do príncipe regente dom João
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)
Napoleão Bonaparte (39 anos)
Franceses no Brasil

05/05Criação da Real Academia dos Guardas-Marinhas, no Rio de Janeiro (hoje Escola Naval), pelo p...
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)

10/05Nasce Manuel Luís Osório em Conceição do Arroio (Rio Grande do Sul)
Osório/RS
Manuel Luís Osório

13/05Decreto do Príncipe D. João estabelece a primeira fábrica de pólvora
Duque de Caxias/RJ
Leis, decretos e emendas
Pela primeira vez
João VI, O Clemente (41 anos)
Reis de Portugal
Família Real

13/05Pelo príncipe dom João foi criada no Rio de Janeiro a Impressão Régia, que, após a Independê...
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)
Conde da Barca (54 anos)
Reis de Portugal
Família Real

22/05Aos 5 anos de idade Luís Alves, futuro Duque de Caxias, foi alistado como cadete
Rio de Janeiro/RJ
Luís Alves de Lima e Silva (5 anos)
Maçons

22/05Proibido caçar perdizes, danificar os ninhos e vender ovos das mesmas aves
Rio de Janeiro/RJ

Junho


01/06Aparece em Londres o primeiro número do Correio Braziliense
Maçons
Hipólito José da Costa Pereira (34 anos)

02/06Francisco Teixeira de Azevedo adquiriu a Fazenda Carambeí, de 7500x6000 braças
Carambeí/PR

13/06Antigo engenho e a Lagoa Rodrigo de Freitas são escolhidos para a criação do Jardim Botânico
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)
Família Real

29/06Também chamada de Tribunal da Junta da Bula da Cruzada, foi instalada no Brasil
Bulas da Santa Cruzada

Julho


17/07Cavalhada folclórica feita em Paranaguá, por moretenses, em homenagem à chegada de D. João V...
Paranaguá/PR
João VI, O Clemente (41 anos)

30/07Nascimento de Joaquim José Inácio em Lisboa, Portugal
Visconde de Inhaúma

Agosto


05/08Nasce no rio Pardo João Propício Mena Barreto, que foi general e barão de São Gabriel e que ...
Rio Pardo/RS
1.° Barão de São Gabriel

23/08Alvará do príncipe regente dando o predicamento de vila à povoação de Porto Alegre (Rio Gran...
Porto Alegre/RS
Dom Pedro I (10 anos)
Maçons

23/08Alvará eleva a povoação do Porto dos Casais à categoria de Vila

23/08Criado o Tribunal da Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
Rio de Janeiro/RJ
João VI, O Clemente (41 anos)

Setembro


10/09Começa a ser publicada a Gazeta do Rio de Janeiro, impressa na Impressão Régia
Rio de Janeiro/RJ

Outubro


12/10Criação do Banco do Brasil no Rio de Janeiro. Esse foi o primeiro estabelecimento bancário c...
Rio de Janeiro/RJ

12/10Incêndio na Igreja do Santo Sepulcro

Novembro


05/11Carta-régia funda Guarapuava
Guarapuava/PR

05/11Decreto criando no Real Hospício Militar do Rio de Janeiro uma escola anatômica, cirúrgica e...
Rio de Janeiro/RJ
Medicina e médicos

25/11Decreto do príncipe regente dom João permitindo que os estrangeiros estabelecidos no Brasil ...

25/11O brigadeiro Filipe Néri de Oliveira desembarcava em rio Pardo

Dezembro


02/12Carta régia ordenando ao governador do Espírito Santo que assegurasse a liberdade da navegaç...

03/12A expedição saída do Pará contra a Guiana Francesa chega à baía do Oiapoque

08/12Nascimento de Johann Julius Gottfried Ludwig Frank em Gotha, Alemanha
Johann Julius Gottfried Ludwig Frank

11/12Nascimento de Joaquim José Pacheco
Salvador/BA
Joaquim José Pacheco
Maçons

15/12O comandante Yeo (inglês) e o capitão-tenente Luís da Cunha Moreira (depois almirante, e vis...
1.º barão e visconde de Cabo Frio (31 anos)

  Sem data especifica

Debret expôs no salon o quadro Napoleão em Tilsitt condecorando com a Legião de Honra um so...
Jean-Baptiste Debret
Napoleão Bonaparte

Diogo Feijó se ordenou presbítero, isto é, se tornou realmente padre
Diogo Antônio Feijó

Era desejo do pai fazê-lo padre, de forma que ingressou no seminário franciscano
Maçons
Visconde de Jequitinhonha

Instala-se o primeiro relojoeiro da cidade de Campinas
Pela primeira vez

José Bonifácio, em conjunto com Fernando Fragoso Saraiva de Vasconcelos, comandou as forças...
José Bonifácio
Maçons

Primeira máquina de impressão instalada no país
Pela primeira vez

Capitão Apiaí casou com Flávia Domitila Monteiro, também conhecida como Flávia da Fonseca Teles
Roberto Dias Baptista

Fundação da Samuel Phillips & Cia (1808-1840)
Inglaterra/Ingleses
Samuel Philipps

O Comissariado de Lisboa perdeu a administração do Vice Comissariado do Brasi



BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine