Wildcard SSL Certificates
2017
2018
2019
2020
2021
2022
2023
2024
100
Registros (133)




NAO DSSS!!!



20 de Janeiro - O verdadeiro início da cidade. Por Paulo Sergio Villasanti professor de História (data da consulta)
4 de março de 202107/04/2024 15:44:04
Registrado por Adriano Koboyama

O entrincheiramento de Uruçumirim foi uma paliçada franco-tamoia localizada no atual outeiro da Glória. Foi atacada e invadida pelos tropas portuguesas e temiminós em 20 de janeiro de 1567, consolidando o domínio português na região e marcando a verdadeira colonização portuguesa no Rio de Janeiro.

BARRETTO (1958) dá-o como uma bateria, erguida no outeiro da Glória entre 1555-1567 e complementa com a data da sua conquista pelas forças portuguesas, 20 de janeiro de 1567, ocasião em que Estácio de Sá (1510-1567) foi ferido por uma flecha no olho, vindo a falecer um mês após, a 20 de fevereiro (op. cit., p. 256).

A decisiva batalha de Uruçumirim envolveu 1.200 combatentes (as forças temiminó-portuguesas somavam mais de 420 combatentes), nela tendo perecido Aimberê, líder à época da confederação dos Tamoios (1555-1567), cuja cabeça (e as de outros líderes indígenas) foi cortada e exibida numa estaca. Seiscentos tamoios e cinco franceses morreram na batalha de Uruçumirim, e dez franceses foram enforcados no dia seguinte à batalha.

O padre jesuíta José de Anchieta (1534-1597), cronista da campanha, reportou o seu saldo à época: "160 aldeias incendiadas, passado tudo a fio de espada".

Dia 20 de Janeiro é o dia do Santo Padroeiro da cidade, São Sebastião, mas é também o dia do Inicio do Rio de Janeiro .

"Os selvagens, de que falo, são muito dados à guerra com os vizinhos, sobretudo com os margajás (Temiminos) e os tabaiaras (Tamoios). Como não têm outro meio de apaziguar suas Guerras, batem-se valente e firmemente. Nesses embates reúnem-se seis mil homens, algumas vezes dez mil e, outrora, até doze mil, isto é, aldeias contra aldeias. Ou, também, se batem quando, casualmente, há encontros entre uns e outros.

Do mesmo modo procedem os naturais do Perú e os indios chamados cannibaes. Antes de empreenderam algum grande cometimento, quer bélico ou não, os selvagens convocam-se em assembleias principalmente os mais velhos, nas quais não tomam parte as mulheres e crianças. Os homens se reúnem de maneiras que me fazem lembrar o louvável costume dos governadores de Thebas, antiga cidade da Grecia, os quaes, quando deliberavam sobre assumptos da republica, permaneciam sempre sentados em terra.

Não menos estranho é o fato de os selvagens americanos jàmais assinarem tréguas, ou pactos, qualquer que seja o grau de inimizade entre si, como fazem as demais nações, mesmo as mais cruéis e barbaras, a exemplo dos turcos, mouros e árabes. E julgo que Theseu, a quem se deve o primeiro armísticio entre os gregos, se estivesse entre os selvagens americanos, ver-se-ia mais embaraçado do que era de crer.

Os indígenas conhecem alguns ardis de guerra, tão bons quanto os de qualquer outros povos. E, inimizados perpetuamente contra aqueles seus vizinhos, procuram-se, frequentes vezes, uns aos outros, batendo-se com tanta fúria quanto lhes é possível. Por isso, todos se vêem constrangidos a proteger suas aldeias com armas e guerreiros. Os ataques são feitos geralmente à noite, quando, então, se reúnem em massa.

Constitue excelsa honra assaltar o inimigo no próprio solo deste, trazendo, de volta, cativos. Quem mais victimas fizer, será tanto mais honrado e celebrado por seus companheiros, qual se fôra um monarcha ou illustre senhor.

Afim de surprehender a aldeia rival, empregam os indios tatica de ocultar-se, à noite, pelos matos, à semelhança de raposas. ali permanecendo o espaço de tempo necessário e conveniente para o assalto. E, quando alcança a aldeia, usam o artificio de lançar fogo às cabanas dos adversarios, afim de obrigá-los a sair do abrigo, juntamente com sua bagagem, suas mulheres e seus filhos." Trecho do Livro "As singularidades da França antártica" do Franciscano Francês André Thevet sobre as hostilidades entre os índios que habitavam a Baia de Guanabara em 1557.[2]
20 de Janeiro - O verdadeiro início da cidade. Por Paulo Sergio Villasanti professor de História (data da consulta)

Relacionamentos
-
Pessoas (5)
Aymberê (f.1567)
5 registros
Estácio de Sá (1520-1567)
31 registros
José de Anchieta (1534-1597)
Falecido há 424 anos / 285 registros
Joanes de Bolés (f.1567)
13 registros
Mem de Sá (1500-1572)
118 registros
-
Cidades (1)
sem imagemRio de Janeiro/RJ
2265 registros
-
Temas (6)
Temiminós
58 registros
Tamoios
139 registros
Confederação dos Tamoios
37 registros
Peru
271 registros
Canibalismo
47 registros
Tabajaras
8 registros
Você sabia?
Em São Paulo, rico era quem tinha talheres – só dez famílias possuíam – e camas. Isso mesmo: camas. Em 1620, um representante do rei de Portugal em visita à cidade simplesmente não tinha onde dormir. A solução foi confiscar a única cama decente da cidade, que pertencia a um cidadão chamado Gonçalo Pires.
* Um representante do rei de Portugal em visita à São Paulo simplesmente não tinha onde dormir. A solução foi confiscar a única cama decente da cidade, que pertencia a um cidadão chamado Gonçalo Pires
“Os nossos tupinambás muito se admiram dos franceses e outros estrangeiros se darem ao trabalho de ir buscar o seu arabutan [pau-brasil]. Uma vez um velho perguntou-me: Por que vindes vós outros, maírs e perôs (franceses e portugueses) buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra ? Respondi que tínhamos muita mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele o supunha, mas dela extraíamos tinta para tingir, tal qual o faziam eles com os seus cordões de algodão e suas plumas. Retrucou o velho imediatamente: e porventura precisais de muito? Sim, respondi-lhe, pois no nosso país existem negociantes que possuem mais panos, facas, tesouras, espelhos e outras mercadorias do que podeis imaginar e um só deles compra todo o pau-brasil com que muitos navios voltam carregados. — Ah! retrucou o selvagem, tu me contas maravilhas, acrescentando depois de bem compreender o que eu lhe dissera: mas esse homem tão rico de que me falas não morre? — Sim, disse eu, morre como os outros. Mas os selvagens são grandes discursadores e costumam ir em qualquer assunto até o fim, por isso perguntou-me de novo: e quando morrem para quem fica o que deixam? — Para seus filhos se os têm, respondi; na falta destes para os irmãos ou parentes mais próximos. — Na verdade, continuou o velho, que, como vereis, não era nenhum tolo, agora vejo que vós outros maírs sois grandes loucos, pois atravessais o mar e sofreis grandes incômodos, como dizeis quando aqui chegais, e trabalhais tanto para amontoar riquezas para vossos filhos ou para aqueles que vos sobrevivem! Não será a terra que vos nutriu suficiente para alimentá-los também ? Temos pais, mães e filhos a quem amamos; mas estamos certos de que depois da nossa morte a terra que nos nutriu também os nutrirá, por isso descansamos sem maiores cuidados.Jean de Léry (1534-1611)
8 registros


Procurar



Hoje na História


Brasilbook.com.br
Desde 27/08/2017
28375 registros (15,54% da meta)
2243 personagens
1070 temas
640 cidades

Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Contato: (15) 99706.2000 Sorocaba/SP