Wildcard SSL Certificates
Ano:  

CidadesBiografias / TemasImagens
TELAMTESTE!
'



Mem de Sá, governador do Brasil, ataca e toma a paliçada de Uruçu-mirim e a de Paranapucu, na baía do Rio de Janeiro
Sexta-feira, 20 de Janeiro de 1567


Dirigiu o Capitão-Mór enérgica fala aos seus soldados, lembrado-lhes a vitória em nome do Santo Padroeiro. Encarniçada foi a luta; os tamoios e franceses opuseram obstinada resistência aos esforços dos guerreiros de Estácio de Sá; o pelouro cruzava-se nos ares com a hervada seta e a espada encontrava-se com o tacapé. Era uma cena de horror e confusão; uma guerra de canibais.

Os tupiminós cevavam o seu implacável ódio no sangue dos tamoios; vendo VENDO IGUALMENTE OS PORTUGUESES NOS FILHOS DA BELA FALICIA OUTROS TANTOS CUJAS VIDAS NÃO LHES ERA PERMITIDO POUPAR. Assim as crueldades inerentes ás guerras, juntava-se ainda esta, O IMPLACÁVEL FUROS DAS CONTENDAS RELIGIOSAS. O delírio do combate os tinha cegado; sua alma se fecharia a todos os sentimentos nobres e generosos; uma só ideia sobre eles predominava, o de abrasar as aldeias contrárias, exterminando os seus defensores.

O cronista da Companhia de Jesus, Padre Simão de Vasconcelos, nos diz com plácida indiferença que NEM UM SÓ TAMOIO ESCAPOU COM VIDA, e dos franceses cinco que caíram nas mãos dos portugueses, FORAM PENDURADOS EM UM PAU PARA ESCARMENTO DOS OUTROS! O que respeitou o arcabuz e a bombarda, completou o incêndio, que devorou em poucas horas as pobres cabanas dos filhos das palmeiras!...

"Era conveniente aproveitas o belicoso ardor dos soldados: resolveu-se, portanto atacar a ilha do Governador, chamada então Paranápucuhy, onde o inimigo possuía um fortíssimo reduto, rodeado de cercas duplicadas que o tornavam quase inexpugnável. Para ai foi pois transportada a artilharia, cujo horríssono estampido repercutido pelos ecos da baia misturava-se coma confusa grita dos selvagens e os roucos sons dos borés.

Esse dia devera ser fatal aos adoradores de Tupan: tiveram de ceder a fortuna de seus contrários, e, abandonando suas aldeias, que o fogo consumia, foram buscar nas regiões ainda desconhecidas temporária asilo, donde também devera expeli-los a desenfreada cobiça dos colonizadores.

Os epenicios da vitória, e os cânticos de jubilo foram interrompidos para dar lugar ao luto e ás lágrimas: o heroico Estácio de Sá, acabava de expirar vítima de oculto veneno de seta de dextro tamoio".

Agora caro leitor, é justo oque pergunteis, qual a causa de uma guerra tão cruel e desumana? Seria porque os tamoios, cônscios de sua liberdade, repeliam a escravidão? [Boletim do Grande Oriente do Brasil, jornal oficial da maçonaria brasileira, 12.1896. Página 585]

1567 — Mem de Sá, governador do Brasil, ataca e toma a paliçadade Uruçu-mirim e a de Paranapucu, na baía do Rio de Janeiro, defendidaspelos Tamoio e por alguns franceses.

O forte de Uruçu-mirim (Ibira-guaçu-mirim, escreve frei Vicente do Salvador) ficava na praia, depois chamada do Flamengo, junto à foz do ribeiro Carioca, hoje Catete; o outro, na ilha de Paranapucu, a que Thevet e Léry chamavam ilha dos “Margajeast”, isto é, dos Maracajás ou Mbaracajás (gatos), denominação dada pelos tamoios aos temiminós, aliados dos portugueses, que, em 1554, depois de muitas guerras, emigraram para o Espírito Santo, em embarcações de lá enviadas a pedido do jesuíta Brás Lourenço. A ilha de Paranapucu ficou depois conhecida com o nome de Ilha do Governador.

O bispo do Brasil, dom Pedro Leitão, abençoou as tropas, quando seguiram para o ataque. Compunham-se elas principalmente de voluntários da Bahia, de Porto Seguro, do Espírito Santo e de São Vicente (São Paulo), dos índios do principal Martim Afonso Araribóia, e da gente que viera de Lisboa nas esquadrilhas de Estácio de Sá e Cristóvão de Barros.

No ataque de Uruçu-mirim (sem falar na perda dos índios aliados) tivemos“11 ou 12 mortos, entre os quais o de mais conta foi um Gaspar Barbosa,capitão de mar e guerra e também da jurisdição de Porto Seguro, homemde grandes partes, de muito esforço e virtude [...]” (Vasc., “Chron.”, III, §102), e foi ferido mortalmente o capitão-mor Estácio de Sá (ibid, § 101),vindo a falecer um mês depois (ver 20 de fevereiro). Em Paranapucu, aresistência foi menor. Mem de Sá transferiu então para o morro, depoischamado do Castelo, o assento da Cidade de São Sebastião do Rio deJaneiro, que Estácio de Sá estabelecera na Praia Vermelha, desembarcandoali no dia 28 de fevereiro ou no dia lo de março de 1565. A chamadacidade não passava até então de um entrincheiramento, dentro do qualforam levantadas palhoças e construída uma capela. Por armas, dera-lheEstácio de Sá um molho de setas. [1]

20 DE JANEIRO . O VERDADEIRO INICIO DA CIDADEO entrincheiramento de Uruçumirim foi uma paliçada franco-tamoia localizada no atual outeiro da Glória.Foi atacada e invadida pelos tropas portuguesas e temiminós em 20 de janeiro de 1567, consolidando o domínio português na região e marcando a verdadeira colonização portuguesa no Rio de Janeiro.

BARRETTO (1958) dá-o como uma bateria, erguida no outeiro da Glória entre 1555-1567 e complementa com a data da sua conquista pelas forças portuguesas, 20 de janeiro de 1567, ocasião em que Estácio de Sá (1510-1567) foi ferido por uma flecha no olho, vindo a falecer um mês após, a 20 de fevereiro (op. cit., p. 256).A decisiva batalha de Uruçumirim envolveu 1 200 combatentes (as forças temiminó-portuguesas somavam mais de 420 combatentes), nela tendo perecido Aimberê, líder à época da confederação dos Tamoios (1555-1567), cuja cabeça (e as de outros líderes indígenas) foi cortada e exibida numa estaca. Seiscentos tamoios e cinco franceses morreram na batalha de Uruçumirim, e dez franceses foram enforcados no dia seguinte à batalha.O padre jesuíta José de Anchieta (1534-1597), cronista da campanha, reportou o seu saldo à época: "160 aldeias incendiadas, passado tudo a fio de espada".Dia 20 de Janeiro é o dia do Santo Padroeiro da cidade, Sao Sebastião, mas é também o dia do Inicio do Rio de Janeiro .

"Os selvagens, de que falo, são muito dados à guerra com os vizinhos, sobretudo com os margajás (Temiminos) e os tabaiaras (Tamoios). Como não têm outro meio de apaziguar suas Guerras, batem-se valente e firmemente. Nesses embates reunem-se seis mil homens, algumas vezes dez mil e, outrora, até doze mil, isto é, aldeias contra aldeias. Ou, tambem, se batem quando, casualmente, há encontros entre uns e outros.

Do mesmo modo procedem os naturais do Perú e os indios chamados cannibaes.Antes de empreenderam algum grande cometimento, quer bélico ou não, os selvagens convocam-se em assembleias principalmente os mais velhos, nas quais não tomam parte as mulheres e crianças. Os homens se reúnem de maneiras que me fazem lembrar o louvavel costume dos governadores de Thebas, antiga cidade da Grecia, os quaes, quando deliberavam sobre assumptos da republica, permaneciam sempre sentados em terra.

Não menos estranho é o fato de os selvagens americanos jàmais assinarem tréguas, ou pactos, qualquer que seja o grau de inimizade entre si, como fazem as demais nações, mesmo as mais crueis e barbaras, a exemplo dos turcos, mouros e arabes. E julgo que Theseu, a quem se deve o primeiro armísticio entre os gregos, se estivesse entre os selvagens americanos, ver-se-ia mais embaraçado do que era de crer.Os indígenas conhecem alguns ardis de guerra, tão bons quanto os de qualquer outros povos. E, inimizados perpetuamente contra aqueles seus vizinhos, procuram-se, frequentes vezes, uns aos outros, batendo-se com tanta fúria quanto lhes é possível. Por isso, todos se vêem constrangidos a proteger suas aldeias com armas e guerreiros.Os ataques são feitos geralmente à noite, quando, então, se reunem em massa.Constitue excelsa honra assaltar o inimigo no proprio solo deste, trazendo, de volta, cativos. Quem mais victimas fizer, será tanto mais honrado e celebrado por seus companheiros, qual se fôra um monarcha ou illustre senhor.

Afim de surprehender a aldeia rival, empregam os indios tatica de ocultar-se, à noite, pelos matos, à semelhança de raposas. ali permanecendo o espaço de tempo necessário e conveniente para o assalto. E, quando alcança a aldeia, usam o artificio de lançar fogo às cabanas dos adversarios, afim de obrigá-los a sair do abrigo, juntamente com sua bagagem, suas mulheres e seus filhos." Trecho do Livro "As singularidades da França antártica" do Franciscano Francês André Thevet sobre as hostilidades entre os índios que habitavam a Baia de Guanabara em 1557.[2]

“Índios”

Arariboia ou Martim Afonso de Sousa

Belgas/Flamengos

Estácio de Sá

Mem de Sá

Serra dos Guaramumis ou Marumiminis

Tamoios

Temiminós

Cidades relacionadas
Rio de Janeiro/RJ
Sorocaba/SP

Fonte: Efemérides do Barão do Rio Branco / Paulo Sergio Villasanti professor de História


A morte de Estácio de Sá
Acervo/fonte: Antônio Parreiras (1860–1937)
Data: 1937
Rio de Janeiro/RJ em 1937



Boletim do Grande Oriente do Brasil, jornal oficial da maçonaria brasileira
Data: 12/1896
Sorocaba/SP em 1896
Página 584



Boletim do Grande Oriente do Brasil, jornal oficial da maçonaria brasileira
Data: 12/1896
Sorocaba/SP em 1896
Página 585

em 1567Retrospectiva 1567

Cabo Frio/RJ

Cubatão/SP

Itanhaém/SP

Rio de Janeiro/RJ

Salvador/BA

Santos/SP

São Paulo/SP

São Sebastião/SP

São Vicente/SP

Sorocaba/SP

Últimas materias
07/08/2022
De São Paulo a Sorocaba
03/08/2022
Caminho até Ipanema
03/08/2022
Aniversário de "Sorocava"
31/07/2022
Etepararange
31/07/2022
CANIBALISMO, NUDEZ E POLIGAMIA
30/07/2022
Corrigindo Luiz Castanho de Almeida: Parte III
30/07/2022
Corrigindo Luiz Castanho de Almeida: Parte II
29/07/2022
Análise da obra de Luiz Castanho de Almeida: Parte I
29/07/2022
Sorocaba: no limite de Tordesilhas
29/07/2022
Minas de "Surucava"





Biografias/temas
Imagens
História
Cidades



Hoje na história!


Hoje na História: 19 de Agosto
35 registros


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine