Wildcard SSL Certificates
Ano:  
TELAMTESTE!
HistóriatestetestetesteMatérias


Atualização: 30/11/2021 02:57:40


Florianópolis é uma cidade tão bonita e de gente tão querida que chega a ser paradoxal que tenha recebido esse nome logo após o fuzilamento de mais de 200 pessoas em Santa Catarina – e para piorar, a cidade foi batizada justamente em “homenagem” a quem mandou fuzilar.

O italiano Sebastião Caboto, a serviço da Espanha, chega com sua expedição em 1526 e, ao publicar seus mapas referentes à região, denominava a Ilha de Santa Catarina de "Porto dos Patos". O nome de Santa Catarina aparece, pela primeira vez, no mapa-mundi de Diego Ribeiro, de 1529 (imagem).

Há divergências quanto ao responsável pela denominação de Santa Catarina: alguns autores atribuem a Sebastião Caboto, em homenagem à sua esposa, Catarina Medrano; outros defendem que tenha sido em homenagem a Santa Catarina de Alexandria, festejada pela igreja católica em 25 de novembro.[1]

Em 1615 tem inicio do povoamento de Jundiaí ao redor do então cruzeiro da Catedral Nossa Senhora do Desterro [2] Em dezembro de 1655 ocorre a fundação de Jundiaí ao redor do então cruzeiro da Catedral “Nossa Senhora do Desterro do Campo Alegre de Jundiaí” [3]

Francisco Dias Velho tem fortes ligações com essas vilas. É ele quem funda em 23 de março de 1673 a vila de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis [4]

Em 1889 um Brasil está se tornando República. E se engana quem pensa que esse é um começo bonito para a história: nosso país deixou de ser monarquia por um golpe militar movido por interesses de determinados setores influentes do país.

Não foi feita a “vontade da população”, porque boa parte da população ou não sabia, ou não queria, ou nem entendia direito o que era República – e também não sabia o que raios estava acontecendo no dia 15 de novembro. Uns canhões, uns caras nuns cavalos proclamando qualquer coisa, evento estranho. Muita gente achou que era só uma parada. [5]

Quem resumiu isso tudo muito bem foi o jornalista Aristides Lobo, que inclusive era republicano, e descreveu o evento exatamente assim, num artigo publicado no Diário Popular em 18 de novembro de 1889: “O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava. Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada”. [6]

Além disso, Dom Pedro II também estava longe de ser um sujeito impopular. Aliás, em comparação com o período regencial que os brasileiros tinham vivido antes, o Segundo Reinado era o “paraíso“. E se continuarmos as comparações, Pedro II também era praticamente um anjo de candura perto de seu pai.

Mais ponderado, com uma capacidade impressionante de articular entre liberais e conservadores, equilibrando bem o jogo de poder (até porque ele foi treinado desde pequenininho para isso), admirado por muita gente (entre elas Victor Hugo, Darwin, Nietzsche, Louis Pasteur e mais uma porrada).

Após a (breve) presidência de Deodoro (e breve porque ele não aguentou mais tanto zaralho que ocorreu no país desde a proclamação da República, a pressão da oposição e renunciou), o seu vice, Floriano Peixoto, assumiu o poder e se tornou o segundo presidente do Brasil. [7]

Herdou assim problemas que já assolavam o país desde o governo de Deodoro (o encilhamento, uma economia lascada e muita guerra civil explodindo no país todo) e como se não bastasse, a posse de Floriano, de bônus, causou mais furdunço ainda: muita gente não achava que era legítimo Floriano se tornar presidente e defendia que seriam necessárias novas eleições de acordo com o previsto na Constituição em vigor na época (a de 1891, nossa segunda).

Mas Floriano não quis saber e não convocou eleições coisa nenhuma. Eclodiram revoltas em muitos cantos do Brasil.

Uma das muitas revoltas, então, e das mais impactantes, foi a Revolução Federalista, que começou em 1893, no Rio Grande do Sul. Essa revolução não estava satisfeita com o presidente que foi eleito para o Rio Grande do Sul: Julio de Castilhos. Também não estava satisfeita com Floriano no poder (e Júlio de Castilhos e Floriano se apoiavam). [8]

Enquanto a Revolução Federalista ia se desenrolando, ao mesmo tempo outra revolta igualmente movida pela insatisfação com o governo de Floriano, a Segunda Revolta da Armada.[9] A situação era complicada, em dezembro de 1893 o sulista Gumercindo Saraiva escreve de Sorocaba ao Marechal Peixoto: “Agora aqui, aí brevemente”. [10]

Em 13 de março de 1894 após sufocada a Segunda Revolta da Armada, em determinado ponto, as duas revoltas se juntaram, praticamente fazendo uma fusão de revoltosos e invadiram o Paraná e Santa Catarina, tomando a cidade de Desterro. [11]

Em outubro de 1894 ocorre a derrota final dos rebeldes. As tropas republicanas vencem os rebeldes e na Ilha de Anhatomirim, o coronel Moreira César fuzila sumariamente sem julgamento todos 200 rebeldes. E aí, por punição aos rebeldes de Santa Catarina o nome da cidade do Desterro foi alterada para Florianópolis. [12]

Fonte: 1viagem2visoes.com (05/05/2020)


Mapa da América de Diego Ribero (01/01/1529)


BIOGRAFIAS E TEMAS RELACIONADOS


Floriano Vieira Peixoto
Presidentes do Brasil
Manoel Deodoro da Fonseca
Nossa Senhora do Desterro de Santana de Parnaíba
Maçons
Salvador Pires de Medeiros
Geógrafos e geografia
Pela primeira vez
Cemitérios
Caminho da Cruz (Estrada Velha)
Francisco Dias Velho
Porto dos Patos
Dom Pedro II
Gumercindo Saraiva
Benjamin Constant
Marechal Rondon
Quintino Bocaiuva
Francisco Glicério
Família Real
Afonso Celso de Assis Figueiredo


Fontes/Referências:

[1] 01/01/1529
*A denominação Santa Catarina aparece, pela primeira vez, no mapa-mundi de Diego Ribeiro
familysearch.org
[2] 01/01/1615
*Inicio do povoamento de Jundiaí ao redor do então cruzeiro da Catedral Nossa Senhora do Desterro
"Jundiahy teve cemitérios dife...
[3] 14/12/1655
Fundação de Jundiaí ao redor do então cruzeiro da Catedral “Nossa Senhora do Desterro do Campo Alegre de Jundiaí”
"Jundiahy teve cemitérios dife...
[4] 23/03/1673
Fundação de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis
[5] 15/11/1889
Deodoro da Fonseca derruba o 36º Gabinete do Império e proclama a República
Eduardo Bueno (26/05/2021)
[6] 18/11/1889
“O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava. Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada”
1viagem2visoes.com
[7] 23/11/1891
A primeira Revolta da Armada e a renúncia de Deodoro após nove meses de governo. Caso o presidente não cumprisse metade do mandato, novas eleições deveriam ser convocadas, segundo o artigo 42 da Constituição recém-aprovado
[8] 02/02/1893
Estoura a Revolução Federalista
[9] 01/09/1893
Segunda Revolta da Armada*
Eduardo Bueno (26/05/2021)
[10] 01/12/1893
Saraiva escreve de Sorocaba ao Marechal Peixoto: Agora aqui, aí brevemente
[11] 13/03/1894
Sufocada a Segunda Revolta da Armada
[12] 01/10/1894
Derrota dos rebeldes*
Eduardo Bueno / 1viagem2visoes...

Últimas materias
07/08/2022
De São Paulo a Sorocaba
03/08/2022
Caminho até Ipanema
03/08/2022
Aniversário de "Sorocava"
31/07/2022
Etepararange
31/07/2022
CANIBALISMO, NUDEZ E POLIGAMIA
30/07/2022
Corrigindo Luiz Castanho de Almeida: Parte III
30/07/2022
Corrigindo Luiz Castanho de Almeida: Parte II
29/07/2022
Análise da obra de Luiz Castanho de Almeida: Parte I
29/07/2022
Sorocaba: no limite de Tordesilhas
29/07/2022
Minas de "Surucava"





Biografias/temas
Imagens
História
Cidades



Hoje na história!


Hoje na História: 20 de Agosto
43 registros


BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine