Wildcard SSL Certificates
Ano:  


Conhecimento geográfico
27/05/2022

OS NATIVOS ORIGINAIS DO QUE VIRIA A SER O BRASIL CONHECIAM ESSE TERRITÓRIO COMO A PALMA, REPITO, A PALMA DA MÃO DELES!”. [12]

Sérgio Buarque de Holanda conta a história de um explorador europeu que, por volta do século XIX, perguntou a um nativo da região amazônica a localização de determinado rio.

O nativo pegou um graveto e desenhou na areia toda a bacia amazônica! Registram-se vários outro casos. Por exemplo o nativo de São Vicente que, na década de 1560, foi sequestrado e levado para Salvador onde foi escravizado. Fugiu e voltou para São Vicente se orientando apenas pelas estrelas! [12]

Ainda em 1819 a maioria dos moradores de Sorocaba, os europeus, “denominavam o Sorocaba como Rio Grande, por ser o maior que conheciam” [8]. Aparenta ter passado 200 anos e muitos ainda não sabiam onde nascia este rio.

Surpreende a quantidade de documentos que mencionam a região desde 1500 até 7 de março de 1608, quando a palavra “Sorocaba” é registrada pela primeira vez. No documento que registra a concessão de terras a Diogo de Onhate no campo caminho da aldeia de Tabaobi (...) rio Nharbobon Sorocaba e sendo caso que do rio Pirayibig para a banda do campo não houver a legua de matos (...)”. [3]

A data da fundação e também o fundador de Sorocaba foram instituídos oficialmente na década de 1950 baseados no testamento de sua segunda esposa Isabel de Proença, registrado em 28 de novembro de 1654, até então, a mais antiga referência a palavra "Sorocaba". Claramente este documento não registra “Sorocaba”, mas “Sorocava” e “Sorocabua” em seu verso. [4]

Assim a História conta que Balthazar Fernandes fundou Sorocaba 46 anos após Diogo de Onhate. Sobre Balthazar “surpreende é a falta de informações documentadas sobre os locais e datas de nascimento e morte do "fundador" de Sorocaba (...) as informações divergem de autor para autor e são sempre imprecisas. Teria nascido no Ibirapuera ou em Parnaíba (...) sua lápide, fria e muda, não fala em morte. Nem se sabe quando ele nasceu. E se nasceu... quando morreu”. [1]

Sabemos que Diogo de Onhate morava nesta capitania haviam 40 anos, tem 11 filhos, sendo 7 filhas, 5 solteiras para casar, e que não tem terras para fazer seus mantimentos, e por esta causa padece grandes trabalhos e necessidades, e que eles haviam ajudado a defender os inimigos que a eles vinham, franceses, ingleses e holandeses, e contra os nativos rebelados nas guerras muitos trabalhos e necessidades, recebendo em seu corpo muitas flechadas e feridas de que o dito Diogo de Unhate ficára manco e aleijado do braço e mão direita, e derramara o seu sangue muitas vezes sem ter tido remuneração alguma; e porque a 15 léguas desta vila de Santos, na Ilha de São Sebastião, na terra firme defronte dela e toda a costa até o Rio de Janeiro eram todas as terras desabitadas e devolutas, e ainda que era tão longe pediam para ambos dois pedaços de terras de matos bravos que começavam defronte da Ilha de São Sesbatião nos arrecifes. [3]

Rio Sorocaba

Os paulistas, os sertanistas bandeirantes paulistas, tinham absorvido muito rapidamente todo o conhecimento geográfico dos nativos, que era espantoso. Eles sabiam tudo de tudo, eram capazes de desenhar as bacias hidrográficas, a altura dos morros, tudo! Devem inclusive ter dito pra eles pra onde ia o rio Tietê. [10]

Quase no final do século de 1500, o sertanista Afonso Sardinha, não há dúvidas, utilizou o caminho aberto pelos nativos, passando por Cotia e Ibiúna. As minas de Biraçoiaba ou Araçoiaba, estavam localizadas justamente nas proximidades de um dos trechos do Peabiru que circundavam o morro. [11]

Afinal um caminho de São Paulo á Itu só começa a ser utilizado a partir de 1604. [2]

São muitos e importantes os documentos que indicam a confusão nas denominações ou limites territoriais. Foi o sorocabano Gabriel Antunes Maciel que, em 1721, ofereceu-se ao governador para abrir um caminho até Cuiabá [5]. Pensava que não era muita a distância.

Até 1755, ainda se acreditava que os rios da esquerda nasciam nos campos de Sorocaba, que compreendiam Botucatú [6]. Em 1766, estando em Porto Feliz, o texto de um europeu demonstra a inferioridade do conhecimento geográfico europeu:

Os rios que fazem barra neste de que se trata são dignos de notícia e por isso declaro por seus nomes e com algumas circunstâncias dos seus efeitos.

O primeiro de que se encontra no começo da navegação é o Capivary, pelo qual se fazem as canoas que compram os comerciantes das ditas minas, cujo rio é pequeno por ter perto as vertentes, procurando ao norte, e é distante do porto da referida freguezia dia e meio de viagem ao lado do Tietê.

Abaixo deste, quase duas léguas, do lado esquerdo, está o rio Sorocaba, cujas vertentes também manam das serras da costa do mar, nas alturas da vila de Iguape ou Cananéa (na serra do Paranapiacaba; contraverte com os afluentes da Ribeira de Iguape), e passa pela vila de Sorocaba, donde teve este nome, e tem a largura mais ou menos de 8 braças
. [7]

Durante a História, frequentemente, algum político utiliza essas inspirações, ou confusões, "históricas" em suas denominações, ou até ações. Como exemplo o rio denominado "Sorocaba", em Iguape a partir do século XVII. Em 28 de março de 1854 a Câmara Municipal da Cidade de Iguape registra (...)

O orçamento com as despesas provável dos necessários reparos com a estrada desta cidade para a vila de Xiririca. (...) Com a fatura de sete pontes, a saber uma no rio Sorocaba contendo 150 palmos e outras nos Rios Sabauma, Seriguais e Canho e seus adjacentes - 440$000. [9]

CIDADES RELACIONADAS

Sorocaba/SP
Iguape/SP
São Paulo/SP
Santana de Parnaíba/SP
Itu/SP
Botucatu/SP
Cananéia/SP
Taubaté/SP
Porto Feliz/SP
Ebirapoeira/SP
Xiririca/SP
Barueri/SP
Araçariguama/SP
Guarulhos/SP
Santos/SP
São Vicente/SP
Cuiabá/MT


RELACIONAMENTOS

Rio Anhemby / Tietê199 registros
Estradas antigas390 registros
Pela primeira vez419 registros
Rio Sorocaba129 registros
Rio Sorocaba (Iguape)3 registros
Balthazar Fernandes190 registros
Bandeirantes748 registros
Cachoeiras53 registros
Pirapitinguí71 registros
Bairro de Aparecidinha66 registros
Pontes69 registros
Caminho de Curitiba49 registros
Rio Paraná33 registros
“Sorocabanos” históricos1179 registros
“o Rio Grande”25 registros
Geógrafos e geografia401 registros
Rio Capivari7 registros
Aldeia de Tabaobi12 registros
Aldeia de Taiobi7 registros
Sabarabuçu125 registros
Caminhos à Sorocaba2 registros
Tupiniquim37 registros
Gaspar Conqueiro23 registros
Vale do Paraíba2 registros
Rio Parnaíba 1 registros
Rio Pirajibú27 registros
Pories8 registros
Eventos que marcaram Sorocaba173 registros
Isabel de Proença Varella22 registros
Mulheres sorocabanas4 registros
Diogo de Unhate33 registros
Manuel Fernandes Ramos49 registros
Pedro Álvares Cabral48 registros
Gonçalo Coelho5 registros
Cachoeira do Inferno6 registros
Américo Vespúcio32 registros
Capelas/Ermidas238 registros
Tupinambás32 registros
Guaianase de Piratininga28 registros
Putribú6 registros
Vila de Santo André da Borda29 registros
Santo Antônio51 registros
Suzana Dias49 registros
Ybyrpuêra84 registros
Caminho velho6 registros
Caminho de Pinheiros; Estrada Itú-SP26 registros
Ferreiros/Metais93 registros
Afonso Sardinha, o Velho192 registros
Padre Francisco Fernandes de Oliveira8 registros
Caminhos a Iguape7 registros
Sabaúma27 registros
Vale do Anhangabaú23 registros
Rio Tamanduatei17 registros
Rio dos Meninos7 registros
Afonso Sardinha "Moço"10 registros
Rafael Tobias de Aguiar91 registros
Aldeia de Pinheiros10 registros
Aldeia de São Miguel (Guarapiranga)19 registros
Bilreiros18 registros
Caminho do Peabiru194 registros
Carijós166 registros
Diogo de Quadros35 registros
Açúcar...120 registros
Vicente Yáñez Pinzón4 registros
Francisco de Sousa242 registros
Mem de Sá69 registros
Gabriel Antunes Maciel10 registros
Marumiminis10 registros
Rio Paranapanema61 registros
Vinho8 registros
João Ramalho69 registros
Nossa Senhora da Escada24 registros
Auguste de Saint-Hilaire11 registros
Capela “Nossa Senhora da Ponte”19 registros
Gertrudes Eufrosina Aires9 registros
Manuel Fabiano de Madureira4 registros
Peru68 registros
Pitanguy13 registros
Rio Pardo8 registros
Fontes/Referências:

[1] "Baltazar Fernandes: Culpado ou Inocente?" pág. 19,23 / Frei Agostinho de Jesus e as tradições da imaginária Colonial / Azev. Marques. Apont. cit. I, 43/44

[2] José Custódio de Sá e Faria e o mapa de sua viagem ao Iguatemi, 2020. Jorge Pimentel Cintra e Rafael Henrique de Oliveira

[3] Sesmarias: 1602-1642 (1921) Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo p. 33, 34, 35 / projetocompartilhar.org/sesmarias.htm

[4] "Balthazar Fernandes: Culpado ou Inocente?" p. 28 / Memória Histórica de Sorocaba - Parte I p. 344

[5] acervo.museudapessoa.org / Memória Histórica de Sorocaba II. Aluísio de Almeida p.83

[6] acervo.museudapessoa.org

[7] Revista do Instituto histórico e geográfico de São Paulo, 1895. Páginas 261 e 262.

[8] Viagem a provincia de São Paulo e resumo das viagens ao Brasil, Provincia Cisplatina e Missões do Paraguai (1819) Auguste de Saint-Hilaire p.249 / 227

[9] Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1895. Página 176.

[10] “Os rios de São Paulo”, 21.08.2019. Eduardo Bueno

[11] Forjando "Máquina Grande" nos sertões do Atlântico, 2020. Franciely da Luz Oliveira.

[12] “Como o Brasil entrou no mapa?”, 04.05.2022. Eduardo Bueno youtube.com/watch?v=WjYnTg65f5Y




Biografias/temas
Imagens
História
Cidades



BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine