Wildcard SSL Certificates
Ano:  


“6 caminhos á Sorocaba”
29/05/2022

A região de Sorocaba era um dos locais mais movimentados do Brasil antes da chegada de Pedro Alvarez Cabral. Da passagem de índios dos grupos tupi por Sorocaba, em seu nomadismo, a certeza é completa! Haviam nativos transitando por Sorocaba, por um caminho terrestre-fluvial que ligava o litoral. [1]

Balthazar Fernandes, fundador "oficial" de Sorocaba, é bisneto do Cacique Tibiriça, e sua esposa, Suzana Dias, sobrinha de um dos europeus que aqui estavam antes da chegada de Cabral.

Outro deles, o poderoso Bacharel de Cananéa, teria chegado ao Brasil antes de 1500. Existem indícios que ele e o ferreiro Mestre Bartholomeu, chegado ao Brasil em 13 de dezembro de 1519 [3], são a mesma pessoa.

Ambos estão relacionados a Sorocaba, onde "ficavam as montanhas de Berusucaba ou Ibiraçoiaba, abundantes em veios de ferro, não lhes faltando do também veios de ouro, que os selvagens cananéas tem por costume extrair" [5]. E desde 1535 o Mestre Bartholomeu frequentava a região de Sorocaba [6].

Hans Staden deve ter passado por Sorocaba em dezembro de 1549 quando avistou cruzes e espanhóis em Cotia" [7]. Ele utilizou o mesmo caminho percorrido por Ulrich Schimdel quando passou por Sorocaba em março de 1553 [9].

Na ocasião da "primeira fundação de Sorocaba", qual caminho percorreu a comitiva que partiu de São Paulo em 23 de maio 1599?.

Os 18 dias de viagem foram percorridos parte a cavalo, parte em canoa, parte em rede [12] e a existência de um caminho passando por Itú é registrado somente em 1604 [13].

E 1710, quando o sertão paulista já estava trilhado e as comunicações eram mais fáceis, “eram precisos 12 dias de viagem para transpor a distancia que separava essa localidade da vila de S. Paulo.” [17]

2. Atravessar a Serra do Mar

Penso como o professor Jorge Ubirajara Proença que "os portugueses enviaram uma expedição colonizadora somente em 1532 quando souberem da existência de um caminho que, do litoral, atravessava a Serra do Mar". [30]

Henrique Montes teria traído o Bacharel de Cananéa, que aqui era o Senhor das terras, e revelado que o local de partida desse caminho seria nas proximidades de Cananéa, local onde a frota aportou. [4]

Nesta ocasião a primeira expedição, chamada atualmente "bandeira", foi dizimada deflagando a Guerra de Iguape, a primeira entre europeus e espanhóis ocorrida em solo brasileiro.

Algumas das consequências dessa guerra foi a extinção do sistema de capitanias, o estabelecimento dos europeus em São Vicente e vinda e dos jesuítas para fornecer mão-de-obra e auxiliar a abertura, em 1553, de caminho partindo dalí até o sertão. [30]

Este Caminho do padre Anchieta, o primeiro aberto pelos europeus, foi feito pelos nativos sob a direção de Anchieta e com ajuda do "sorocabano" Afonso Sardinha. [8]

Era péssimo! Em 1585 Fernão Cardim relata que, de tão ingrime, em alguns trechos era necessário escalar com as mãos. Nesse mesmo ano o próprio Anchieta diz:

"Vão lá por umas serras tão altas que dificultosamente podem subir nenhuns animais, e os homens sobem com trabalho e às vêzes de gatinhas por não despenharem-se, e por ser o caminho tão mau e ter ruim serventia padecem os moradores e os nossos grandes trabalhos". [6]

Em 1607, na cidade de São Paulo, “se vendiam mui bons cavalos, mas os caminhos não permitiam cavalgaduras" [7]. Em 1656 “não era possível o trânsito de animais, pois não caminhando que se faz a maior parte da viagem; é de rastros sobre as mãos e os pés, agarrando-se às raízes das árvores, em meio de rochedos ponteagudos e de tão terríveis precipícios, tremiam, confessavam, quando olhavam para baixo”. [15]

Esse caminho permaneceria com poucas atenuantes por mais uns duzentos anos. Em 1699 não haviam cavalos em Santos [16]. Data de 1792 A PRIMEIRA VIA DE LIGAÇÃO ENTRE A CAPITAL E O LITORAL PAULISTA, a Calçada do Lorena [18].

Porém, em 1852, 60 anos depois, "cavalos que não suportavam a travessia e caíam, vivos ainda, cobertos de ramos, tentavam, em vão esforço, levantar a cabeça de quando em vez. Os brasileiros costumavam deixar as pobres bestas no próprio lugar em que tombavam, sem se importarem com a morte delas, sem tirá-las do caminho.

Um vez caído o animal, aliviam-no da carga a fim de lhe facilitar os movimentos; se, mesmo assim, não consegue por-se de pé, sinal evidente de sua fraqueza e inutilidade e, mais ainda, de sua morte próxima, abandonam-no. Ninguém se incomoda mais com a pobre besta.

A carga é posta num dos outros animais, que, sempre em grande número, acompanham a tropa, e o vencido é coberto com alguns ramos. Eis o cuidado único que se toma para advertir as outras tropas que passam, pois tanto as mulas como os cavalos tem uma grande aversão pelos cadáveres dos companheiros, e nada os faria passar junto de um lugar desses
". [21]

Em 1854 foi decretado a criação de uma companhia de cavalaria em São Paulo, porém não se realizou porém pela falta de cavalos. Foram tais os preços que me pediram por alguns que apareceram que resolvi demorar nesta parte da execução da lei.

É estranha essa falta de cavalos, em São Paulo, depois da metade do século XVIII e mais ainda no XIX; pois verifica-se que só no ano de 1751 passaram pelo registro de Curitiba, importados do extremo-sul e naturalmente com destino à feira de Sorocaba, nada menos de 6559 daqueles animais. [17]

Sendo que mesmo antes da abertura do péssimo caminho de Anchieta, em 1553, já haviam gados em São Paulo. Por qual caminho esses animais cruzavam a Serra do Mar?

3 - O caminho do Peabiru

Afinal, a suntuosa comitiva escalou ou percorreu a Serra do Mar em 1532? Em abril de 1560, qual caminho, inteiramente calçado, que ia de São Vicente à planície de Piratininga, encantou Mem de Sá com a beleza do trabalho? [10]

As consequências desse momento ultrapassam os limites das Histórias sorocabana e paulistana, alteraram os rumos de eventos que nos trouxeram até o atual momento...

Já em 1549 falava-se que o Inca construiu a mais grandiosa estrada que há no mundo, e que é, também, a mais longa, e desde o começo da História escrita do homem, nunca houve outra narrativa de grandiosidade tamanha, como a que pode ser vista nesta estrada que passa por cima de vales profundos (...) [29]

Era uma via construída pelos incas, de largura reduzida, em geral de 1 metro a 1 metro e meio muitas vezes, quando em terrenos mais moles, calçada de lages pequenas. As subidas dos morros era feita por mini-degraus, tão suaves que até cavalos podiam utilizar-se deles. [28]

A arqueólogo Igor Chmyz, que na década de 1970 coordenou uma equipe que identificou 30km da trilha do Peabiru, diz que “todos que me perguntam sobre esse caminho, geralmente, se referem aos incas, como se esse caminho estivesse associado aos incaicos.” [17]

4 - Sorocaba e cruz

O chamado caminho do Peabiru também era chamado de caminho de São Tomé. Para os nativos, o caminho estava associado a visita de um misterioso estrangeiro que denominavam Pay Zumé.

O padre jesuíta Manoel da Nóbrega escreveu ao seu superior em Coimbra: "São Tomé esteve aqui! (...) Alguns nativos procuram a cruz e Casa de canto como se fosse um hábito antigo".

A cruz já era um símbolo sagrado para os nativos. Uns dizem ser pelos princípios cristãos ensinados por Pay Zumé, ou o próprio apóstolo de Cristo. Outros alegam que a cruz para eles já era sagrada, e representava o entrocamento de caminhos. [2]

Da passagem de índios dos grupos tupi por Sorocaba, em seu nomadismo, a certeza é completa! Haviam nativos transitando por Sorocaba, por um caminho terrestre-fluvial que ligava o litoral.

Escrevem sobre “um sistema viário ou feixe de comunicações no qual Sorocaba era o ponto de passagem”. Aqui limitavam-se vários grupos nativos. Era, já então, uma encruzilhada aonde convergiam. [1]

5 - O Caminho...

Muitos especulam por onde, exatamente, esses caminhos cruzavam Sorocaba. Minhas pesquisas indicam que o mais notável caminho que, não só cruzava Sorocaba, mas entre todos os caminhos já existentes antes da chegada dos europeus, era o o que da aldeia de Imbohy (ou Mboy), passando por Santo Amaro e Itapecerica da Serra se dirigia a Itanhaém, conhecido por Caminho do Gado.

Era nessa região, cortada pelos dois caminhos - do gado e da aldeia velha (Paraná-mirim) - que estavam situadas as minas de Araçoiaba e as legendárias terras auríficas de Botucavarú, Lagoa Dourada e outras, das quais os aranzéis (roteiros antigos) nos dão notícias.

Esse caminho era o divisor de águas que nasciam na Serra "do rio que nasce junto ao Cubatão e desciam por ela", "em Caucaia, caminho para o mar, (...) indo para o mar nas cabeceiras de Gaspar Conqueiro, Cornélio de Arzão e Damião Simões".

Sabemos que Caucaia de localiza na Serra, entre os municípios de Cotia e de Una (Ibiúna) e que Cornélio de Arzão possuía uma Fazenda em Apereatuba, atual bairro Piratuba na cidade de Piedade.

Nota-se que TODOS os proprietários dessas terras eram aparentados. Em 1623, Luis Furtado, morador e proprietário nas proximidades de Itanhaém, denunciou-os por:

impedir o livre trânsito no antigo caminho real, que era utilizado por nativos e pelos moradores da vila que negociavam com eles. Segundo a denúncia, tratavam mal os nativos, confiscavam os bens trazidos por eles e impediam a romaria até Itanhaém”. [2]

6 - De Piedade a Juquiá

Quais seriam as atuais cidades que eram cortadas por este caminho até Itanhaém? Passaria por Juquiá? São raros os documentos que registram esse caminho!

Poderia este caminho ser aquele que atualmente liga Piedade á Juquiá passando por Tapiraí e pela "Cabeça da Anta"? A novamente encontram-se muitas lacunas nos registros.

Em 1824 “consta que vai abrir uma estrada de Sorocaba para o Rio Juquiá, obra de suma importância e interesse para os Povos de ambos os distritos (...) porém lembra-se a providência da abertura de outra estrada que saindo da Capital, costeando a serra pelos Campos á esquerda da Freguesia de Cotia, va reunir-se a estrada que se fizer de Sorocaba para Juquiá, naquela parte onde foi possível junto a Serra”. [10]

A Prefeitura de Juquiá afirma que em 1824 foi aberta uma picada entre Sorocaba até o rio Juquiá, porém na cita a fonte da informação [11].

O relatório apresentado á Assembléia Geral Legislativa na segunda sessão da décima-segunda legislatura, pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Guerra, José Mariano de Matos, em 1864, aparenta que a dúvida não é somente minha:

"Foi-me recomendado o exame da estrada que se havia projetado para um porto de embarque no rio Juquiá, afluente da ribeira do Iguape: as notícias que achei acerca desta estrada davam a distância entre Ypanema e o referido porto de nove até dezesseis léguas.

Como eu não conhecia o rumo em que ficava o porto em questão, resolvi seguir por qualquer caminho que para lá conduzisse, calcular a posição astronômica e dai deduzir a distância e a direção á fábrica.

Informei-me dos habitantes do lugar se havia meio de transitar com os meus instrumentos geodésicos, afirmaram-me que havia estrada pela qual passavam animais carregados, boiadas, etc.; além disso tive notícia que posteriormente a 1859 se havia gasto 14:000$00 rs. com ela
". [14]

Em 21 de janeiro de 1562 “informa com urgência sobre o objeto do incluso ofício em que José Francisco da Rosa, inspetor da estrada do Ypanema a Juquiá, pede o pagamento da quantia de 7:507$480”. [13]

CIDADES RELACIONADAS

Sorocaba/SP
São Paulo/SP
Santos/SP
Santo Amaro/SP
Araçoiaba da Serra/SP
Cotia/Vargem Grande/SP
Itu/SP
Juquiá/SP
Cubatão/SP
São Vicente/SP
Cananéia/SP
Araçariguama/SP
Jundiaí/SP
Apiaí/SP
São Roque/SP
Piedade/SP
Iguape/SP
Rio de Janeiro/RJ
Ibiúna/SP
Capão Bonito/SP
Iperó/SP
Ponta Grossa/PR
Nossa Senhora de Monserrate/SP
Taubaté/SP
Iporanga/SP
Xiririca/SP
Bertioga/SP
Itanhaém/SP
Itapecirica da Serra/SP
Peruíbe/SP
Praia Grande/SP
Botucatu/SP
Guarapuava/PR
São Miguel Paulista/SP


RELACIONAMENTOS

Estradas antigas390 registros
Caminho do Mar87 registros
Caminho do Peabiru197 registros
Caminho do gado22 registros
Cavalos e mulas109 registros
Diamantes, ouro e prata888 registros
Carijós166 registros
José de Anchieta137 registros
Bandeirantes748 registros
Lagoa Dourada67 registros
Pela primeira vez419 registros
Afonso Sardinha, o Velho192 registros
Rio Anhemby / Tietê199 registros
Montanha Sagrada DO Araçoiaba88 registros
Jesuítas279 registros
Capelas/Ermidas238 registros
São Paulo de Piratininga60 registros
Bairro Itavuvu77 registros
Francisco de Sousa242 registros
Nossa Senhora de Montserrate88 registros
Mestre Bartolomeu Gonçalves24 registros
Piqueroby29 registros
Cosme Fernandes52 registros
Caminho velho6 registros
Domingos Luís Grou165 registros
Sabarabuçu125 registros
Cahativa / Bacaetava55 registros
Ferreiros/Metais93 registros
Cruzes...23 registros
Incas4 registros
Fernão Cardim6 registros
Jurubatuba13 registros
Martim Afonso de Sousa72 registros
Jeribatiba (Santo Amaro)16 registros
Cananéas12 registros
Caminho São Paulo-Santos14 registros
Mem de Sá72 registros
João Ramalho69 registros
Caiubi, senhor de Geribatiba29 registros
Gados55 registros
Biesaie25 registros
Geógrafos e geografia401 registros
Santa Ana das Cruzes48 registros
Salvador Pires31 registros
Peru72 registros
Serra de Paranapiacaba63 registros
Espanhóis/Espanha97 registros
Araritaguaba22 registros
Caminho até Cotia1 registros
Bairro Éden, Sorocaba27 registros
Apereatuba30 registros
João de Salazar3 registros
Caminho Itú-Sorocaba20 registros
Caminho Sorocaba-Itapetininga11 registros
Francisco de Chaves8 registros
Hans Staden44 registros
Rio Cubatão em Cubatão2 registros
Rio Pinheiros24 registros
Avenida Ipanema14 registros
Avenida Itavuvu7 registros
Dom Henrique de Avis8 registros
Pirâmides2 registros
Caminhos/Estradas até Ibiúna9 registros
Boigy26 registros
Manuel Fernandes Ramos52 registros
Guaianase de Piratininga28 registros
Itapeva (Serra de São Francisco)95 registros
Fazenda Ipanema231 registros
Praça Fernando Prestes11 registros
Balthazar Fernandes190 registros
Rio dos Meninos7 registros
Apóstolo Tomé21 registros
Rio Tibagi18 registros
Rodovia Raposo Tavares19 registros
Carl Friedrich Philipp von Martius3 registros
Caucaya de Itupararanga10 registros
Rio Cubatão14 registros
Açúcar...120 registros
Fernão de Magalhães16 registros
Henrique Montes14 registros
João III "o Piedoso"57 registros
“Índios”362 registros
Baltazar Carrasco dos Reis12 registros
Diogo Gonçalves Lasso23 registros
João de Laet10 registros
Música32 registros
N.S. de Monte Serrat do Itapeboçu14 registros
Pelourinhos24 registros
Ribeirão das Furnas19 registros
Serra de Araçoiaba43 registros
Serra de Jaraguá41 registros
Vuturuna38 registros
Caminho de Pinheiros; Estrada Itú-SP29 registros
Pirapitinguí71 registros
Porto "misterioso"17 registros
Manuel de Borba Gato32 registros
Maniçoba17 registros
Domingos Rodrigues da Fonseca Leme4 registros
Geraldo Beting24 registros
Bernardo José de Lorena16 registros
Rio de Una da Conceição1 registros
Rio de Una de Iguape2 registros
Rio Juquiá14 registros
Caminho do Picadão3 registros
SP-795 registros
Carl Hermann Conrad Burmeister2 registros
Caminhos até Ypanema7 registros
Bartholomeu Fernandes de Faria13 registros
Rio Mboy5 registros
Pará-mirim2 registros
Piaçaguera3 registros
Terceira Fábrica em Ipanema33 registros
Manuel da Nóbrega84 registros
Confederação dos Tamoios15 registros
Rio das Cobras2 registros
Rio de São Lourenço13 registros
Rio Geribatiba18 registros
Tupis11 registros
Ulrico Schmidl14 registros
Ururay23 registros
Aldeia de Pinheiros10 registros
Aldeia de São Miguel (Guarapiranga)19 registros
Antonio Rodrigues "Sevilhano"11 registros
A primeira ponte15 registros
Ybyrpuêra84 registros
Mortes no Sabarabussú10 registros
Lopo Dias Machado29 registros
Jacques Oalte8 registros
Clemente Álvares86 registros
Tibiriçá42 registros
Vila de Santo André da Borda36 registros
Ytutinga13 registros
“Sorocabanos” históricos1179 registros
Alemães31 registros
Bacaetava18 registros
Cachoeiras53 registros
Capela de N.S. Monserrate19 registros
Cornélio de Arzão39 registros
Serra dos Itatins3 registros
Cariós10 registros
Ordem de Cristo50 registros
Fontes/Referências:

[1] "Memória História de Sorocaba (I)" Aluisio de Almeida p.336;337 / “Peabiru” de Hernâni Donato do IHGSP (10/1971) p. 10 / ALFREDO MARIO SAVELLI (2009) p.145 / "Memória histórica de Sorocaba (I)" p.336 / Evolução Urbana de Sorocaba (2012). Andressa Celli (USP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo) p.44 / “Os Cavaleiros Templários e o caminho de Peabiru” (14.09.2018) Professor Jorge Ubirajara Proença

[2]
[3] Obras do Barão do Rio Branco (brasilbook.com.br/r.asp?report=21126)

[4] “São Vicente Primeiros Tempos”, 2006. Secretaria de Turismo e Cultura da Prefeitura de São Vicente

[5] "O Bacharel de Cananéia" Eduardo Bueno (2019) - "A Guerra de Iguape" - "SP na órbita do império dos Felipes" José Carlos Vilardaga p.83 / brasilbook.com.br/r.asp?r=19978 / Jorge Ubirajara Proença / Santo Antonio da Minas de Apiahy (09/1993) Rubens Calazans Luz p.24

[6] “História da siderúrgica de São paulo, seus personagens, seus feitos”, 1969. Jesuíno Felicíssimo Junior. Página 15

[7] Hans Staden: suas viagens e captiveiro entre os selvagens do Brasil / Teodoro Sampaio "O Tupi na geografia nacional"

[8] S. Paulo nos primeiros anos: 1554-1601, 1920. Afonso de E. Taunay. Páginas 179 e 178.

[9] Ulrico Schmidl no Brasil quinhentista, 1942. Sociedade Hans Staden. Página 79

[10] Algumas notas genealógicas: livro de família : Portugal, Hespanha, Flandres-Brabante, Brazil, São Paulo-Maranhão: séculos XVI-XIX / Arquivo Histórico Municipal de São Paulo / novomilenio.inf.br / "A História de Santos" Francisco Martins / ALMANAK da Provincia de São Paulo para 1873 organisado e publicado por Antonio José Baptista de Luné e Paulo Delfino da Fonseca. São Paulo: Typographia Americana, Ano 1, 1873. p.68-70

[11] Os transportes em São Paulo no período colonial, 30.09.1958. José Gonçalves Salvador

[12] Alfredo Ellis Junior p.90 / Memória Histórica de Sorocaba p.339;340 / smetal.org.br/imprensa/ - "Revista do IHGSP Vol. XXXV" Aluisio de Almeida p.139 / Na Capitania de S. Vicente / São Paulo na órbita do império dos Felipes: Conexões castelhanas de uma vila da américa portuguesa durante a União Ibérica (1580-1640) José Carlos Vilardaga (2010) p.151 / O Observador: Econômico e Financeiro (08/1949) p.58 / “O Tupi na Geographia Nacional” (Teodoro Sampaio) / p. 258

[13] José Custódio de Sá e Faria e o mapa de sua viagem ao Iguatemi, 2020. Jorge Pimentel Cintra e Rafael Henrique de Oliveira

[14]
[15] Viagem a provincia de São Paulo e resumo das viagens ao Brasil, Provincia Cisplatina e Missões do Paraguai. Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853)

[16] Tropas e Tropeiros na Formação do Brasil, 1961. José Alípio Goulart. Página 30.

[17] Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas (1711) p.141;142 - p.145

[18] Postal SESC, consultado em 27.03.2022, portal.sescsp.org.br

[19] Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo 205

[20] Prefeitura de Juquiá, juquia.sp.gov.br consultado em 2019.

[21] Tropas e Tropeiros na Formação do Brasil. 1961. José Alípio Goulart. Páginas 84 e 85.

[22] Tropas e Tropeiros na Formação do Brasil, 1961. José Alípio Goulart. Página 31.

[23] Jornal “Correio Paulistano“/SP, 21.01.1862

[24] Relatório apresentado á Assembléia Geral Legislativa na segunda sessão da décima-segunda legislatura, pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Guerra, José Mariano de Matos

[25] Capitanias Paulistas, 1927. Benedito Calixto

[26] Os transportes em São Paulo no período colonial, 30.09.1959

[27] Igor Chmyz

[28] Araçoiaba e Ipanema, 1997. João Monteiro Salazar.

[29] Histórias ilustradas de Ypanema e do Araçoiaba, 2011. Gilson Sanches.

[30] “Os Cavaleiros Templários e o caminho de Peabiru” (14.09.2018) Professor Jorge Ubirajara Proença




Biografias/temas
Imagens
História
Cidades



BRASILBOOK - http://www.brasilbook.com.br
Agradecemos as duvidas, criticas e sugestoes
Compilado por Adriano Cesar Koboyama
Colaboradores:
Simone Garcia
João Libero
Amora G. Mendes, Matheus Carmine